A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach

quarta-feira, 1 de junho de 2011

500 MILHAS DE INDIANÁPOLIS - Curiosidades

A gigantesca coluna de fumaça na edição de 1964.

Após o bom desempenho de Clark nas 500 Milhas de 63, quando só foi derrotado pelo bairrismo dos caipiras locais, Chapman criou outro carro vencedor, o Lotus 34. Este tinha as mesmas qualidades do antecessor e pneus Dunlop. A Firestone tinha o monopólio das gomas na Indy 500. Colin porém, obcecado pela influência do peso em um carro de corridas, cismou que a opção certa eram os Dunlop, feitos na Inglaterra e utilizados na F1. Eram mais macios e leves e insistiu em sua utilização junto a sua parceira, a Ford Motor Co. Firestone e Ford também eram parceiros de longa data. Os americanos sabiam da capacidade do "Mago" e acabaram cedendo. Nos treinos, Clark fez a pole position e era o favorito disparado. Mas a corrida foi desastrosa. Os Dunlop não resistiram às altas velocidades e ao peso do carro, começando a se deteriorar,o que acabou levando ao desbalanceamento do Lotus e a quebra da suspensão traseira esquerda. Vitória de A.J.Foyt,  a última com um carro de motor dianteiro. A Ford ficou furiosa. Culpou Colin pelo fracasso e de castigo, tomou com os três chassi 34: o de Clark, o de Gurney e o reserva. Para o ano seguinte, a montadora confiou os carros a A.J.Foyt, Parnelli Jones e Walt Hansgen.
Mas Chapman havia aprendido a lição e trouxera o maravilhoso 38, com o qual Jimmy foi finalmente o vencedor.  

Jimmy, Foyt e Parnelli Jones, 1965.
Jack Brabham em 1964.
Parnelli Jones pula do carro em chamas, 1964 
Bobby Johns e o Hurst Floor Shift Especial, 1964.
Jimmy em 1967 cheio de problemas, lá atrás Hill e Chapman também desolados.
Jimmy 1967. 
                                     
 Jimmy esteve presente na Indy 500 em 67 também. Depois de um grande desempenho desde sua estréia, Clark enfrentava problemas em sua quinta participação na prova norte-americana. Em 63 chegara em segundo; em 64, foi pole position; 65, vitória arrasadora e 66, boa performance apesar da rodada. Em 67, Chapman parecia ter a "equipe dos sonhos": seus pilotos eram simplesmente Jim Clark e Graham Hill, vencedores das duas edições anteriores. O que poderia dar errado? Problemas mecânicos, tanto Jimmy quanto Graham tiveram problemas com quebra de pistão, respectivamente terminando em 31º e 32º lugares. A foto em que os três aparecem juntos, veja que Colin e Hill parecem conformados e Clark, desolado. Vai também uma foto onde Clark lidera A.J. e Parnelli. Repare que todos estão de Lotus. Uma foto de Black Jack e Jimmy concentrado para a prova de 67. O Pat Clancy Special participou duas vezes, com pilotos diferentes, das 500 Milhas. E para mostrar que carros esquisitos eram comuns em Indianápolis, que tal o carro Hurst Floor Shift Special, do piloto Bobby Johns. Parece que ele teve problemas nos treinos e não correu.. 


 A edição de 64 por exemplo, teve na primeira volta o terrível acidente envolvendo o estreante Dave McDonald e Eddie Sachs. McDonald saiu da pista, bateu no muro e depois acertou Sachs. A foto com a gigantesca coluna de fumaça preta ainda impressiona hoje em dia e devido às mortes dos dois pilotos é que a gasolina foi banida das 500 Milhas, passando a usar-se o etanol.


Dave McDonald

Eddie Sachs
Dave McDonald começa a rodar.


Apesar de dantesco, nenhum dos dois morreu devido ao incêndio. Sachs morreu na hora, por causa do impacto e McDonald, mesmo com as queimaduras, morreu pelos gases que inalou. Os bombeiros levaram meia-hora para apagar o fogo. O carro de Eddie em algumas listas aparece creditado como American Red Ball e o de Dave, às vezes está com o nome de seus patrocinadores e em outras, com o nome de seu construtor, Mickey Thompson. Sachs era um veterano na Indy e McDonald, tinha muito bons resultados correndo com os AC Shelby Cobras. Recebeu muitos avisos de que corria perigo. O Sears Allstate já fora oferecido a Graham Hill e Masten Gregory, pilotos calejados e que o rejeitaram. Graham chegou mesmo a referir-se ao carro como sendo "diabólico". Mario Andretti foi outro que não o quis. Ele desprezou mesmo avisos de amigos como Doug Hooper e Carrol Shelby e até Jim Clark o aconselhou a não correr: "Dê o fora desse carro, amigo".
Mas Dave achou que não estaria sendo profissional, se desistisse.



Henrique Mércio - Caranguejo

Cada vez que “provoco” meu amigo e parceiro Caranguejo a escrever sobre algo é uma enxurrada de e-mails trocados com milhões de informações. “Lembra disso, daquilo e tem mais aquela outra” e assim vai, são fatos que as vezes esqueci ou simplesmente não tinha conhecimento. Sua mente brilhante está sempre trabalhando seja falando de automobilismo, cinema, literatura ou quadrinhos e muito fica sem ir para os posts, neste apenas um pouco das muitas informações que trocamos sobre as 500 Milhas de Indy.

Rui Amaral Jr    
       

9 comentários:

  1. danilo kravchychyn1 de junho de 2011 18:44

    Caranguejo, Rui,

    Quando achamos que não poderiam haver fotos mais bonitas, vocês postam essas maravilhas.

    Mesmo com toda a emoção da última volta desse ano, não há como não admirar a história das 500 Milhas de Indianápolis.

    Abraço,


    Danilo Kravchychyn
    Ponta Grossa - PR

    ResponderExcluir
  2. Do C........
    Que post legal !!!!!

    agora assinado, rsrs

    Fabio Farias, abs.

    ResponderExcluir
  3. É Danilo, vc precisava ouvir nossos papos no Skype, as vezes duram horas e a quantidade de fotos que tenho enviadas por ele ou minhas é absurda. O interessante é que para nós sempre falta algo, um detalhe lembrado após etc e para nós além de ser um grande prazer escrevermos sobre o que gostamos é ver os comentários como o seu e do Fabio, é gratificante.

    Abraços

    Rui e Caranguejo(PP) A procuração não é assinada mas tenho certeza que compartilhamos do mesmo sentimento.

    ResponderExcluir
  4. Eu sou apenas um contador de histórias. A oportunidade que o Rui me ofereceu, possibilita um maior alcance.
    Estou gratificado.
    Obrigado.
    Caranguejo

    ResponderExcluir
  5. De arrepiar!!! Fotos espetaculares!
    Abraços empoeirados

    ResponderExcluir
  6. Belas histórias, belas fotos. Mas , vejam como é o tempo. Indianapolis e suas 500 milhas hj em dia não influenciam tecnicamente o automobilismo como já o fizeram tempos atrás. Carros a turbina, 6 rodas, reabastecimento, compressor etc,etc,etc,...... A monomarca é a grande vilã da história. Sorte é que Deus não deixa Indianapolis ter corridass monotonas. Vida a edição de domingo passado.Final hollywwoodiano. Maravilhoso, apesar da pobreza tecnica. Abçss e parabéns ao Rui e ao Carangueijo.

    ResponderExcluir
  7. Fabiani C Gargioni #265 de junho de 2011 13:12

    Grande Rui,mais uma postagem emocionante com narrativa e fotos sensacionais!!!

    ResponderExcluir

Os comentários serão aprovados por mim assim que possível, para aqueles que não possuam blogs favor usar a opção anonimo na escolha de identidade. Obrigado por sua visita, ela é muito importante para nós.

Rui Amaral Jr