A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Ferrari. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ferrari. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 2 de abril de 2019

Silverstone 1951, Froilan Gonzalez vence a primeira corrida da Ferrari na Formula Um

                   
      O Touro dos Pampas-largando na pole!
O beijo da vitória!
A Quadriculada!
Pilotando a Ferrari 375 ao seu estilo...forte! 


 Conhecemos a Ferrari por suas inúmeras vitórias na F1, mas a 1ª vitória na categoria veio só no segundo ano de participação. Enzo Ferrari foi um piloto de relativo sucesso chegando à vencer várias corridas inclusive dois GP de Módena em 1927 e 28 pilotando para Alfa Romeo. Logo depois montaria sua Scuderia Ferrari e com ela representar a marca Alfa Romeo nas pistas, e como representou! Por sua equipe passaram os maiores nomes do automobilismo da época, Antonio Ascari, Gigi Villoresi, Achille Varzi, Rudolf Caraciola, Luigi Fagioli, Giuseppe Campari, Compagnoni, Pintacuda e o grande Tazio Nuvolari. Esta equipe ganhou de tudo representando a Alfa e mesmo depois da saída de Enzo continuou ganhando, sendo a Alfa Romeo talvez a maior vencedora de corridas de todos os tempos, superando inclusive a Porsche, à conferir. No começo da década de 1940 Enzo se desliga da Alfa Romeo, existia entre ele e o engenheiro chefe Wifredo Ricart um antagonismo latente, dois temperamentos difíceis, dois gênios do automobilismo. Tendo Ricart anos depois ao fim da segunda guerra, feito na Espanha um dos mais espetaculares carros esportes da época, o Pegaso, dá para ver que a richa continuou. Quando saiu da Alfa, por força de contrato Enzo não podia usar o nome Ferrari, então sua equipe chamava-se Auto Avia Construzione e apesar de competir com o antigo patrão e vencer às vezes, ainda não tinha todo esquema da antiga equipe. Ai veio o novo campeonato de viaturas GP, a F1, e a Alfa Romeo com seus carros já amplamente testados em corridas venceu os dois primeiros campeonatos, em 1950 com o grande piloto de outrora Giuseppe Farina e em 1951 com aquele que por anos viria ser o ícone da categoria, o nome àa seguir.... Juan Manuel Fangio.
No dia 14 de Julho de 1951 no GP da Inglaterra, em Silverstone, viria acontecer a vitória que mudaria o rumo da F1, pista de altíssima velocidade, onde os grandes pilotos se destacam, tanto que esta pista até hoje é conhecida como Dasilvastone, por conta de um certo brasileiro chamado Ayrton que por lá barbarizou na FF e F3. Neste 14 de Julho tinha um touro no caminho. A Alfa com "apenas" seu time completo, Giuseppe Farina, Juan Manuel Fangio - a caminho de seu primeiro título - Bonetto e Sanesi e a Ferrari "somente" com Alberto Ascari, Gigi Viloresi, e o " Touro dos Pampas " Froilan González. A Alfa com seu motor beberrão de 8 cilindros 1.500cc comprimido e a Ferrari com seu V12 de 4.494cc aspirado, por esta época este motor tinha uns 375cv contra os mais de 420cv das Alfas, mas era bem menos beberrão, tinha sido projetado por Aurelio Lampredi que substituíra Gioachino Colombo como projetista da casa de Marannelo. O primeiro piloto da Ferrari era o grande Alberto Ascari, filho de Antonio, morto em um acidente quando liderava o GP da França em 1925. Mas quem fez a pole nesta corrida foi o Touro, a seguir a ordem de largada.
Pole F. Gonzales 1.43,4 - Ferrari
2º J. M. Fangio 1.44,4 - Alfa Romeo
3º G. Farina 1.45 - Alfa Romeo
4º A. Ascari 1.45,4 - Ferrari
5ºL. Villloresi 1.45,8 - Ferrari
6º C. Sanesi 1.50,2 - Alfa Romeo
7º F. Bonetto 1.52 - Alfa Romeo
Grid composto de 20 carros.
Como se vê era o dia dele, colocar 1s em cima de Fangio a caminho de seu primeiro titulo, e ainda por cima seu concorrente desde os tempos da Argentina, e 2s no rapidíssimo Alberto Ascari talvez o piloto mais rápido de sua época.
Na corrida Bonetto largando da segunda fila com Alfa tomou a liderança, para antes do fim da 1ª volta ser devorado por Froilan e Fangio que seguiram lutando pela ponta, com o Touro em 1º, pela décima volta Fangio assume a ponta, mas a luta continua renhida, pela metade da prova, Froilan toma de novo a ponta, e quando Fangio entra nos boxes, volta 45, para reabastecer a gastona Alfa, seu adversário abre 1m30s de vantagem. Quase ao final a Ferrari do Touro tem que fazer uma rápida parada para reabastecer, mas nem com isto perde a ponta, e vence corrida batendo Fangio por 51s e os dois chegando a simplesmente duas voltas na frente de Gigi Villoresi o 3º e quatro à frente de Bonetto o 4º.
Nos relatos que leio desta corrida, desde minha adolescência, todos dizem que a luta entre os dois Argentinos foi espetacular, os dois andando no limite desde a 1ª volta até o final. Froilan González foi o nome do dia, ainda por cima deu à Ferrari sua primeira vitória na F1, só que ainda não era a vez da Ferrari ser campeã do mundo, depois de Silverstone Fangio partiu firme para conquistar seu 1º titulo. Froilan ganhou mais uma corrida do mundial de pilotos, também em Silverstone, em 1954, e competiu ainda algum tempo na F1 e depois voltou para Argentina. Em 1971 ou 72 eu estava nos boxes em Interlagos, e alguém me disse de um senhor sentado em outro box é o Froilan, eu com vergonha não lhe pedi um autógrafo, seria uma relíquia, do "Touro dos Pampas" o homem que naquele 14 de Julho deu a 1ª vitória à Ferrari e bateu ferozmente os melhores pilotos da época.


NT. Ele preparou muitos Opalas para alguns pilotos no Brasil, inclusive do pernambucano Antonio da Fonte, e correu na Copa Sul-Americana de 1960 em Interlagos e ganhou uma corrida em Interlagos em 1958. Curioso que participou do ultimo GP da Argentina da fase romântica, em 1960.

texto Caranguejo - link




Agradeço meus amigos Carlos de Paula e Caranguejo.

Rui Amaral Jr

            Foto Ferrari - link

Abaixo o texto da Ferrari.

"14 Lug 1951

Il 14 luglio 1951 si metteva uno dei primi mattoni della grande storia Ferrari. Nel Gran Premio di Gran Bretagna, l’argentino José Froilan Gonzalez otteneva la prima vittoria in Formula 1 per la Ferrari.( 14 de julho de 1951 era colocado um dos primeiros tijolos da grande história da Ferrari. No GP da Inglaterra, o argentino José Froilan Gonzalez, obtinha para Ferrari a primeira vitória na Formula Um.) 

L’argentino, a Silverstone, conquistò la pole position in 1’43”4 battendo di un secondo e un secondo e mezzo le Alfa Romeo di Juan Manuel Fangio e del campione del mondo Giuseppe Farina. In gara fu Felice Bonetto con la Maserati a conquistare la prima posizione ma Gonzalez poco tempo dopo riuscì a riprendere il comando della corsa.. ( O argentino, conquistou a pole em Silverstone com o tempo de 1`43``4 colocando um segundo e um segundo e meio sobre as Alfas de Fangio e do campeão do mundo Giuseppe “Nino”” Farina. Na largada Felice Bonetto de Maserati tomou a ponta, para logo à seguir Gonzalez retomar o comando da corrida.)    

A quel punto iniziò un testa a testa estremamente vivace con Fangio. I due si scambiarono a più riprese la posizione. Poco dopo metà gara entrambi i piloti rientrarono ai box per il rifornimento e Gonzalez, rispettando le gerarchie, offrì la propria vettura ad Alberto Ascari, che era stato costretto al ritiro. Ascari si rifiutò di interrompere la cavalcata dell’argentino e gli fece segno di continuare. Quasi caricato dal fatto di poter continuare, José dopo la sosta riuscì a staccare Fangio conquistando la prima vittoria per la Casa di Maranello. La festa venne completata dal terzo posto di Villoresi.".(Começa à esta altura uma disputa renhida entre Gonzalez e Fangio pela ponta. Pouco depois da metade da corrida Gonzalez entra no Box para reabastecimento, e respeitando a hierarquia da equipe oferece seu carro à Alberto “Ciccio” Ascari que se retirara por quebra. Ciccio não quis interromper a grande atuação do argentino e recusou a oferta. Contente por poder continuar, logo à seguir ataca Fangio e conquista a primeira vitória para Casa de Maranello. A festa fica completa com a terceira colocação de Villoresi.)
       


terça-feira, 4 de setembro de 2018

Monza 2018...Lewis soberbo!

Tião e Lewis- Foto Mercedes Benz


Parole, parole, parole...
Sábado, classificação, Kimi crava a pole com Tião em segundo Lewis em terceiro e Bottas ao seu lado. A Ferrari comemora, pois com aquele super motor que permitiu à Tião que em Spa passasse de passagem na primeira volta por Lewis antes de chegarem à Les Combes a corrida estava garantida. Era só Kimi acelerar e mais tarde numa "manobra" Tião assumir a ponta para sua segunda vitória consecutiva.
Apenas esqueceram de combinar com o inimigo!
E o "inimigo" é hoje, e já de algum tempo, um piloto e tanto. Fora algumas caras feias que faz no podium quando não é o vencedor, hoje Lewis é um piloto completo, rápido, centrado, não desiste nunca, e mesmo nesta Formula Um que hoje é chata, faz a diferença. Lembra à mim alguns grandes nomes do passado, mas seria tolice de minha parte fazer qualquer comparação.

Kimi - Foto Ferrari

Kimi larga na ponta seguido por Tião com Lewis logo atrás, na primeira chicane Tião coloca o carro ao lado de Kimi mas Kimi resiste e sai na frente...na reta anterior à segunda chicane Tião vai para o lado de dentro e Kimi toma sózinho a segunda chicane massssss Lewis coloca seu carro ai lado de Tião e na segunda perna por dentro já está no segundo lugar quando Tião toca em seu carro e roda. 

Vettel - Foto Ferrari

Vejam bem, Vettel já não tem a mesma postura de quando conquistou os quatro títulos pela Red Bull, talvez a pressão de pilotar pela Ferrari, talvez a visão de um adversário que vem pilotando de forma magistral e se impondo à ele, talvez...mas não é o mesmo e não é a primeira vez que age desta forma e depois joga a culpa no adversário. E Lewis toma o segundo lugar de uma forma soberba.

Bottas - Foto Mercedes Benz

Kimi segue ponteando com Lewis em segundo, Versttapen em terceiro e Bottas em quarto...
Quando os três primeiros param para troca de pneus Bottas se mantém na pista e Kimi saido em segundo logo chega nele, massss apesar do motorzão não consegue tomar-lhe a posição, Bottas sai rápido da variante Ascari chega e faz forte a Parabólica e Kimi não consegue se aproximar na primeira chicane...e Lewis vem chegando em Kimi, que à esta altura já está com os pneus comprometidos...Bottas segura com os mesmos pneus que largou por muitas voltas e quando para Kimi assume a ponta...mas Lewis que vinha atrás e sem os pneus comprometidos por disputas sai da Parabólica bem mais rápido que Kimi e na primeira chicane com Kimi por dentro coloca seu carro por fora, fazem junto a primeira perna e na segunda por dentro e com Kimi jogando limpo, vai embora rumo à quadriculada.

Kimi e Lewis tomando a primeira chicane - Foto Mercedes Benz
Lewis - Foto Mercedes Benz

Em nossas conversas no Facebook meus amigos e eu chamamos Lewis de Pagodeiro, sem nenhum desmerecimento, afinal sou fã da tocada dele há muito...agora depois de Monza posso dizer com certeza, mesmo que o mundial não venha...o Pagodeiro é Rei!

Rui Amaral Jr




A CORRIDA COMPLETA NA GLOBO



      
      






terça-feira, 28 de agosto de 2018

Gianclaudio Giuseppe Regazzoni ou simplesmente Clay...


  Há muito tempo quero escrever sobre Clay...apenas uma pequena homenagem de quem admirou muito a carreira deste tremendo bota!
Acompanhei sua carreira e desde que chegou à Formula Um e mesmo correndo por uma equipe sem grandes chances já mostrava ao que vinha. Em 1969 foi contratado pela Ferrari para F.Um onde faria dupla com Jacky Ickx e na Esporte Protótipos. Logo em sua quinta corrida pela equipe vence na icônica Monza depois de largar em terceiro atrás de seu companheiro Ickx e de Pedro Rodriguez.
Não vou falar de seu acidente muito menos de sua morte, apenas vou ilustrar com algumas fotos a carreira deste grande piloto.

Rui Amaral Jr

  Estreando pela Ferrari com a 312B em Zanvoort - 1970
Vencendo em Monza com a 312B - 1970

1972 ponteando as feras em Daytona com a 312PB
1972 com a 312 PB em Brands Hacth
À frente de Ickx
1973 contratado pela BRM com a P160D faz pole e melhor volta em Buenos Aires.
1973 Monte Carlo com a P160E à frente de Stewart e Emerson
1975 com a 312B3 à frente de Emerson em Interlagos
No Karroussel
Conversando com Niki nos EUA em foto de minha amiga Yara
Testando uma 312PB com algumas alterações...
Em Interlagos de F Dois com o March 722 em foto de meu amigo Rogério Da Luz
1976 Interlagos, ponteando Niki, Emerson, Brambilla
1975 Monza, à frente de Niki
Vencendo em Nurburgring com a 312B3 em 1974, ano em que perdeu o campeonato para Emerson Fittipaldi por três pontos.
1979 Silverstone levando a Willians FW07 à primeira vitória da equipe na F.Um, e sua última na categoria.



  

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Qaranta anni fá...Gilles!



"5 Giu 2018
Montréal e il ricordo di Gilles Villeneuve

Ci sono tante cose strane, in una vecchia foto di quasi quaranta anni fa. Per esempio il fatto che il vincitore indossi una giacca pesante sopra la tuta, o che celebri non con la tradizionale bottiglia di champagne, ma con una magnum di birra. Quel weekend di pioggia prima e di freddo polare poi poteva essere reso anche più strano dal fatto che quel Gran Premio del Canada, il primo ospitato dalla città di Montreal, era stato inizialmente previsto per il lunedì successivo, giorno del Ringraziamento. Ma anche le TV erano già importanti, nel 1978, e si corse di domenica.

Ma forse la cosa più strana è che quella pista corta e oblunga costruita a ridosso del bacino olimpico, quell’ovale interrotto da chicanes che corre nel verde dell’Ile de Notre Dame, costeggiando il maestoso fiume San Lorenzo, in principio non piaceva ai piloti. Qualcuno diceva che era stato fatto appositamente per il loro collega locale, quello spericolato di Gilles Villeneuve. Che neanche a farlo apposta, quella domenica, vinse: il primo successo in F.1 per lui, sulla T3 della Scuderia Ferrari. Rimontando con rabbia su Jones e Scheckter, il suo futuro compagno di squadra, per poi trovarsi la strada spianata dal ritiro di Jarier.

Gilles non c’è più, anche se quelli come lui, in realtà, un po’ rimangono sempre con noi. Ma il tracciato, quello che all’inizio non piaceva, è rimasto ed è diventato un classico del mondiale. E naturalmente porta il suo nome: Circuit Gilles Villeneuve."

Não vou traduzir o belo texto da Ferrari para primeira vitória daquele que Enzo dizia tanto admirar...Gilles venceu em casa, na chuva, começava aí a trajetória de um piloto que todos nós que admiramos quem faz a diferença na condução de um carro de corridas reverenciamos. 


Jody vindo de lado na Wolf  WR6

RESULTADO


quarta-feira, 29 de junho de 2016

Daytona 1967...

1º #23 Bandini/Amon Ferrari 330 P3/4 Spyder Ferrari S.P.A,  #24 Parkes/Scarfiotti Ferrari 330 P4 Coupé Ferrari S.P.A. 3º #26 Rodriguez/Guichet Ferrari 412 P North American Racing Team.

...na primeira etapa do Campeonato Mundial de Protótipos a equipe Ferrari deu um banho na concorrência fazendo 1º, 2º e 3º lugares ou seja fez cabelo, barba e bigode! Foi a campeã neste ano contando com um grande carro e grandes pilotos, mas levou algumas tundas da concorrência como nas 24 Horas de Le Mans quando os GT40 MKII venceram com A.J. Foyt e Dan Gurney, ou nas 6 Horas de Brands Hacth quando o Chaparral 2F Chevrolet venceu com Phill Hill e Mike Spence.

Bandini no carro de Pedro Rodriguez/Jean Guichet.


Chris Amon bem ao seu estilo na Ferrari 330 P4 Spyder nas 6 Horas de Brands quando ele e seu companheiro Jackie Stewart chegaram em 2º  atrás do Chaparral.

Caranguejo, Rui Amaral Jr

Dedicamos este post aos amigos os Dons Carignato, Bonani, Bevilacqua, Takeuti, Nardini,  tutti oriundi e à Paulo Levi!

terça-feira, 24 de novembro de 2015

A MULHER DE SATURNO

Von Tripps, Laura e Phil Hill em Aintree.

A temporada de 1961 estava sendo quase que amplamente dominada pela Ferrari e seu modelo 156 “Sharknose”. As vitórias divididas entre os pilotos da Equipe, Wolfgang von Trips e Phil Hill e o título disputado entre os dois. A fase era positiva, apesar do terrível acidente de von Trips em Monza, quando a disputa enfim terminou. Mas se nas pistas as coisas iam bem, em casa, havia uma crise se pronunciando. E a responsável foi a senhora de lenço na cabeça, comemorando a vitória de von Trips no pódio em Aintree. Mas quem era ela? Laura Dominica Ferrari, esposa de Enzo e mãe de Dino. Ocorre que esta matrona gostava de envolver-se na empresa do marido e sua interferência começou a irritar muita gente, como o gerente de vendas, Girolamo Gardini. Gardini disse a Enzo em carta que se a situação permanecesse, ele iria embora. Como resultado, caíram além de Gardini, o engenheiro de motores Carlo Chiti; o projetista Giotto Bizarrini; o chefe do departamento de competições Amadeo Dragoni; o chefe da fundição Fausto Galassi e o diretor de pessoal Enzo Selmi, além do diretor esportivo Romolo Tavoni e os pilotos Phil Hill e Giancarlo Baghetti, todos vítimas da chamada Revolução Palaciana. O expurgo durou de novembro de 1961 até setembro do ano seguinte, quando Hill e Baghetti saíram do time. Os rebeldes uniram-se e fundaram a ATS- Automobili Turismo e Sport, que estruturalmente, deveria funcionar como a Ferrari: comercializar veículos fora de série e reverter os lucros para a equipe de corridas. A nova equipe porém, não vingou e logo seus proponentes se dispersaram. Quanto à Scuderia, muitos poderiam pensar que Enzo Ferrari foi ousado e um homem de família. Por respeito à companheira de uma vida inteira, a mãe de seu querido filho Alfredino, ele não titubeou em descartar importantes colaboradores, homens com grande papel em sua equipe. Não se apressem. Embora tenha permanecido casado com Laura até a morte dela em 1978, o Comendador tinha uma relação com Lina Lardi, que lhe dera o filho Piero e ainda arranjava tempo para manter um outro caso, com Fiamma Breschi, antiga namorada do um ex-piloto da Ferrari, Luigi Musso. Como se vê, o contraditório Enzo de sempre, ou como uma vez o chamou o jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, um moderno Saturno, pronto a devorar seus filhos e seguir seu destino.

CARANGUEJO

Monza 1961 as Shark Nose dominavam com Von Tripps, Phil Hill, Richie Ginther e Ricardo Rodriguez...
Phil Hill o vencedor na única Ferrari à terminar, uma amarga vitória...
  ...o acidente de von Tripps na entrada da Parabólica...
Von Tripps
O HOMEM DE KERPEN
O marido de Laura entre Didier e Gilles.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

FALA CAMPEÃO...

...e Lewis abriu a boca e com toda majestade que seus três títulos lhe concedem falou apenas uma verdade, talvez num ambiente em que ela dificilmente apareça mas uma verdade que irritou não sei por que os fãs de Schummi. 

"Venci o titulo com meu talento natural, não fiz as coisas que Michael fez para conquista-lo! Lewis Hamilton"
link para a matéria

É inegável  que Schummi também tinha talento natural de sobra, mas também é inegável que usou e abusou de situações incomuns para alcançar seus títulos. Do talento saiu logo em seu primeiro ano completo de Formula Um (1992) a primeira vitória e o terceiro lugar no campeonato. 
Abaixo o vídeo da corrida de Adelaide 1994 onde foi decidido  titulo entre ele e Damon Hill, caso na época a FIA, FISA ou sei lá quem de direito, o houvesse punido com o devido rigor não aconteceriam os fatos de 1997 quando perdeu todos os pontos do campeonato e 1998 quando a intenção clara dele era tirar Jacques Villeneuve da corrida de Jerez.  

Schummi x Damon, Adelaide 1994

Schummi x Villeuneve 1997 Jerez


Depois para nós brasileiros aqueles anos em que Schummi dividiu com dois brasileiros a equipe e sim foi cinco vezes consecutivas campeão do mundo 2000/2001/2002/2003/2004 além de bater todos recordes de vitórias, poles e melhores voltas da categoria, quando sua força de vontade se impôs ao dois, Rubens e Felipe, e usou e abusou de sua condição de primeiro piloto tirando em alguma corridas a vitória garantida de Rubens apenas por desejo de se impor, como na Áustria naquele vergonhoso episodio...

Zeltweg 2002, Rubens vem à frente de Schummi, caso tivesse imposto sua vontade talvez o brasileiro tivesse sofrido penalidades da Ferrari, mas certamente teria caminho aberto à outra grande equipe, o contrato rentável e a subserviência o fizeram tirar o pé!


Pois bem apoio a declaração de Lewis, nós já tivemos pilotos que falavam com esta propriedade e força de caráter, infelizmente depois deles nunca mais disputamos o titulo da categoria máxima do automobilismo com a mesma competência, apesar de termos pilotos como o Rubens que foram tão rápidos quanto os campeões de época! 

Rui Amaral Jr

PS: Ao Schummi, esperando e torcendo por sua recuperação. 




      

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Singapore 2015 - Só deu Tião...

Sem duvida alguma Tião dominou a corrida da forma que quis, levando a Ferrari à uma bela vitória, Ricciardo correu como um veterano e Kimi me pareceu acomodado. Até que a corrida foi interessante apesar da pista de plástico, um baita autoramão!!!   

Tião 
Bonito ver os sorrisos de Ricciardo e Tião... 
Tião um ser iluminado!
Melhores momentos...


RESULTADO


1. Sebastian Vettel (ALE/Ferrari)
2. Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull-Renault) 
3. Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari)
4. Nico Rosberg (ALE/Mercedes)
5. Valtteri Bottas (FIN/Williams-Mercedes)
6. Daniil Kvyat (RUS/Red Bull-Renault)
7. Sergio Pérez (MEX/Force India-Mercedes) 
8. Max Verstappen (HOL/Toro Rosso-Renault) 
9. Carlos Sainz Jr (ESP/Toro Rosso-Renault) 
10. Felipe Nasr (BRA/Sauber-Ferrari) 
11. Marcus Ericsson (SUE/Sauber-Ferrari) 
12. Pastor Maldonado (VEN/Lotus-Mercedes) 
13. Romain Grosjean (FRA/Lotus-Mercedes) 
14. Alexander Rossi (USA/Marussia-Ferrari) 
15. Will Stevens (GBR/Marussia-Ferrari) 

Fotos Ferrari