A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Expedito Marazzi. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Expedito Marazzi. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Marazzi e o Porsche 917 do Wilsinho. Conta Cuca


No final de 1974, o Expedito já sabia que o Wilsinho Fittipaldi iria montar  uma equipe brasileira para disputar o Mundial de Formula 1 com o seu próprio carro. Marazzi, foi uns do primeiros entusiastas do projeto. Dizia-me ele, que com um bom chassis, um motor Cosworth e pneus Goodyear, a equipe poderia ter sucesso. E ele não estava errado, pois era a época dos kit-cars, só não contava com que os ingleses, fariam tudo para o Copersucar-Fittipaldi não andar na frente dos carros deles. E fizeram. Mas esse é assunto para outro texto.  

         O Expedito, escreveu diversas matérias, sempre defendendo o projeto, enquanto os "especialistas", só o detonavam. Porem, o Wilsinho, que adorava as matérias dele, o chamou, e disse que o Marazzi, era muito importante para divulgar positivamente a equipe, e que, ele era o único jornalista automobilismo, que tinha habilidades para testar o FD01. O Expedito ficou muito orgulhoso, e, a bem da verdade, muito entusiasmado com o convite. Ele foi até a minha casa para conversar com meu pai sobre o convite, afinal, não era para qualquer um ser convidado para testar um F1 de um grande projeto brasileiro. Na época do convite, o carro ainda estava na prancheta de desenhos. Passaram-se meses até o carro ficar pronto e o Wilsinho ligar para o Marazzi e dar a triste noticia. Infelizmente, a Copersucar vetou o teste pois achavam que o Expedito poderia destruir o carro, o que na minha opinião, até faz sentido, mas, quem conheceu o Expedito, sabia que ele jamais andaria acima do seu limite e responsabilidade. Como premio de "consolação", o Wilsinho ofereceu o Brabham BT34 para ele testar, triste e contrariado, mas vendo a possibilidade de pilotar um F1 pela primeira vez, ele aceitou.

        
         Dias depois, o teste da Brabham foi realizado. Marazzi, foi para a oficina da Copersucar, e estava conversando com o Wilsinho, quando chegou o Emerson com o Porsche 917, o doido do usava o carro como carro de rua. Expedito então, perguntou se ele não poderia testar o 917 também. Wilsinho disse que sim, mas em outro dia.
         Naquele dia, eu estava esperando o Marazzi na casa dele para saber como foi pilotar um F1? Resposta dele:
-Nada demais, nada assustador. tem acelerador, cambio freio, mas achei que seria muito mais rápido...
         Aqui, vale uma adendo: com certeza o Brabham não estava com a potencia máxima. Nem sei se este teste foi publicado na revista Manchete. Mas com o Porsche, a coisa foi diferente.
         Algumas semanas depois, foi marcado o teste com o  Porsche, e esse saiu na revista Manchete. Pouco depois, perguntei como andava o Porsche?
Respostas dele:
-Eu nunca vi o retão acabar tão rápido, foi impressionante...
-Vocês que estão acostumados a entrar na curva do Sol de pé em baixo, é porque nunca pilotaram um 917. Você chega tão rápido no final da reta oposta, que você tem que frear, reduzir uma marcha e entrar acelerando...
-Foi o carro mais rápido que dirigi na minha vida...
         Esta no texto da matéria da Manchete, que ele pediu para o fotografo ir para a curva do laranja, para fazer umas fotos mais emocionantes, pois ele ia "entortar" o carro... Duas ou três voltas depois, o fotografo começa a abrir os braços reclamando... Marazzi para depois do Laranja, desce e diz para o fotografo:
-Não adianta, o carro é muito bom, toda vez que eu tento jogar a traseira, ele me responde malcriadamente e coloca a traseira no lugar...

         Sempre que tentei conversar com o Marazzi sobre  teste do F1, ele sempre falava que era um carro comum, mas que o Porsche 917 do Wilsinho era absurdo. E eu acredito nele.
         Lembro-me, do primeiro GP oficial de F1 no Brasil. Fui aos treinos do primeiro dia com meu irmão Marco Souto Maior. Quando voltamos, o Expedito estava chegando do autódromo também na porta da sua casa (éramos vizinhos)... Paramos o carro ao seu lado, e descemos para conversar:
-E ai Expedito, o que achou?
-Nada demais, não são o super heróis que eu imaginava. Se me derem um carro daquele, e um tempo para treinar, ando junto com eles. Não digo na frente, pelo amor de Deus, mas, ficar próximo deles, eu fico. O único que me impressionou realmente. foi o tal do Tom Price. Aquele tira leite da pedra do carro...
Engraçado, eu achei a mesma coisa...
Forte abraço a todos...

Mario Souto Maior

sexta-feira, 22 de março de 2019

A aula de Pace. Conta Cuca

Pace e Marivaldo 

Era uma sexta normal, eu estava na casa dos meus irmãos em São Paulo. Acordei, e fui tomar um café, liguei o radio, pois eles não tinham televisão, exatamente no minuto em que o locutor falou que, José Carlos Pace, havia sofrido um acidente de avião, e não sobrevivera...Com ele, havia morrido Marivaldo Fernades, dono e piloto do avião. Fiquei estático, o pão, parou na minha garganta. Como assim? Meus heróis não morriam, ainda mais num teco-teco.. A noticia estava errada, ele fizeram um pouso forçado na mata, mas estavam bem. Era isso que tinha que ser, nada mais que isso...
               Infelizmente não foi assim.. . Na realidade, foi um dia muito triste, pois passei  o dia todo sozinho, e querendo entender os  desígnios de Deus...
               Não tive a felicidade e a honra de conhecer o "Moco", mas tenho algumas historias em que eu estava bem do lado dele. Lembrem-se, eu era ma criança, fanática por automobilismo. Então, qualquer contato com os meus ídolos foram importantes para mim.

F2...

               Os primeiros contatos que tive com ele, foram muito rápidos, eu sentado nas arquibancadas, e ele passando num F2 a 250km/h na minha frente.  Da para imaginar o como foi rápido. Mas, foi a primeira vez que eu o vi pilotar, assim como vi o Emerson, Wilsinho, Schenken, Hailwood , Hill, Peterson, e tantos outros que estavam naquele Torneiro Internacional de Formula 2. Ali, eu acho que os brasileiros viram o que os formulas andavam.
Teve uma ano, que o Moco corria na March F1, e meu irmão, Marco Souto Maior, que era jornalista automobilístico,  me levava para os  treinos, eu ficava na arquibancada, e ele ia fazer a cobertura nos box...Lembro-me, que ele chegou para o Pace e perguntou:
  -E ai Moco, como esta o carro? Moco respondeu:
-Que carro? Essa porra não anda...
Meu irmão riu, mas viu que não era hora para piadas...
No ano seguinte, já na Surtees, muito mais animado, meu irmão arriscou e fez a mesma pergunta. Mais calmo,  Pace respondeu...
-O carro só não anda mais por falta de dinheiro...
O tempo passou, e demorou para eu ver o Moco novamente, mas, quando aconteceu, foi simplesmente especial...
 Estávamos em Interlagos, em mais uma aula do "Curso Marazzi de Pilotagem". Eu, quando podia, matava as aulas e ia para Interlagos com o meu irmão, que era aluno do Expedito,  e esse, foi um desses dias.
Os alunos estavam não andando muito, então, o Expedito chamou todos pra os boxes, para um "esporro" coletivo. Todos os carros estavam nos box, a pista livre. Marazzi falando com os alunos, e eu atrás dele, quando vi um carro chegando. O Expedito estava tão puto, que nem percebeu. O carro parou atrás de mim, olhei para a janela, o vidro baixou devagar e surge o Moco, era o cara, ali, na minha frente, num belíssimo Passat Dacon prata...
-Fala professor...
-Moco... Tudo bem?
-Tudo, posso dar umas voltas ai? Perguntou o Pace...
Expedito, se curvou, e com os dois braços disse...
-Por favor, mas anda rápido, tá?
O Moco olhou sorriu e disse:
-Deixa comigo...
E saiu acelerado...
O Marazzi virou para os alunos e disse:
-Vamos para grade do "Laranja", pois agora, vocês vão ver o que é pilotar...
Corremos todos para o "laranja", e ficamos babando de como o cara era rápido.
Moco deu três voltas inteiras e parou na quarta. O interessante, é que a maioria dos alunos, não perceberam quem estava pilotando o Passat...
No final da quarta volta, o Moco passou pelos boxes, deu um meia parada, o Expedido chegou na janela do carro, falaram por trinta segundos, e o Passat saiu acelerando forte.
Logo depois, o Marazzi reuniu os alunos e deu a noticia para aqueles que não sabiam quem era o cara do Passat... Neguinho babou.. Eu babo até hoje quando lembro daquelas três voltas. Tempos depois, estive perto do Pace, no teste do Copersucar FD01, onde, o Emerson testou o carro. Sempre calmo, solícito. Gostaria de ter melhor oportunidade de conhecê-lo, não tive, mas sou feliz por ter  visto ele correr e dar aula de pilotagem.

Pace, Niki...popuco antes do acidente do austríaco.

Para terminar, um repórter, perguntou ao Bernie, se o Lauda tinha sido o melhor piloto da Brabham?  Ele respondeu:
-Se eu tivesse o Carlos (assim ele chamava o Pace), nunca ia precisar do Niki..
Sem desmerecer o Niki, e nenhum outro piloto, pra mim, o Pace tinha pilotagem mais refinada de todos os brasileiros, era um mistura de Nelson Piquet, com Emerson...
Grato José Carlos Pace, o seu Mocô, por todas as emoções que você me fez sentir...



Mario Marcio “Cuca” Souto Maior

_______________________________________________

"Rui, quero escrever um texto sobre o Pace...."
"Manda ver Cuca!"
Gostaria de colocar mais algumas fotos neste delicioso texto do Cuca, mas o tempo anda curto, me desculpem.
Agora pode até parecer pretensão masssss...acredito que caso nosso amigo Expedito não tivesse partido antes da hora, certamente gostaria do que escrevemos e postamos neste bloguinho!

Aos que nos deixaram antes da hora.

Rui Amaral Jr

NT: Alguns "historiadores" que vêm ao História "pesquisar" peço que ao copiar algum textos e publicarem, não precisam fazer qualquer referencia ao blog, mas deem os devidos créditos aos autores.


sábado, 2 de setembro de 2017

F. Um 4x4

 Hill testa a bela Lotus 63 4x4 nos treinos do GP Holanda em Zandvooth - 1969

Ontem encontrei em casa um livro com estas fotos e algum texto sobre os carros 4x4 da Formula Um do final da década de 1960, o texto pouco esclarecedor não reproduzo, mas vou pesquisar mais e um dia escrevo à vocês.
Pelo que me lembro além da Lotus e McLaren a Matra também fez o seu 4x4 assim como a Tyrrel e outras. Finalmente a FIA baniu a tração 4x4 na Formula Um acabando com a brincadeira. 
Mais tarde a AUDI acertou de vez a tração nas quatro rodas com o fabuloso QUATTRO no link ele testado por meu amigo Expedito Marazzi.

Rui Amaral Jr

por Expedito Marazzi   

O eixo da tração dianteira passava abaixo das pernas do piloto! A caixa de transferência ao lado do disco esquerdo. Coisas de Colin!!!!!

 A bela McLaren M9A que correu o GP da Inglaterra 1969 em  Silverstone com Derek Bell.

A suspensão dianteira com a caixa de transferência.
A suspensão traseira com a caixa de transferência.

O belo Fergusson P99 de 1961, com ele Stirling Moss venceu a Oulton Park Gold Cup corrida extra campeonato em 1961.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Danilo Julio Afornali

Sabe quem é "o cara" da foto? Não?

Então vou contar:

Danilo Julio Afornali nasceu em 28 de setembro de 1935, em Curitiba, Paraná.
Começou a trabalhar com mecânica de motocicletas em 1950 e nunca mais parou. Exerce essa função ainda hoje e mesmo aposentado, continua trabalhando na área.
Sua carreira como piloto começou no fim dos anos 50, precisamente em Abril de 1959 quando então, preparou um CZ 150 para correr na pista de terra (saibrada) de Joinville, famosa naquela época por sediar corridas de alto nível, nacionais e internacionais.

Na sua primeira participação em corridas oficiais, conseguiu um honroso 3º lugar !

Dentro de sua carreira como piloto, disputou títulos com vários nomes da época como Ubiratan Rios,(que foi seu funcionário na antiga oficina na rua Presidente Farias - Curitiba), Lucílio Baumer (Joinville), enfim, pilotos que hoje tem seu nome escrito na própria história do motociclismo brasileiro.

As máquinas eram diferentes e as pistas também, eram máquinas muito potentes para a época mas que tinham um conjunto que nada facilitava sua tocada, dentre elas pilotou HRD Vincent 500 e 1000, BSA Goldstar 500, BMW 500, Rumi 125, AJS 500, Indian e CZ's, sempre trabalhadas para competição.
A falta de importação obrigava até a fabricação de peças para reposição, o que tornava este esporte ainda mais artesanal !

De todas as máquinas que pilotou, a que mais deixou saudades foi a velha HRD 1000, que com a palavra deste senhor hoje beirando os 82 anos subscrevo-me:

Sr. Danilo: " --- Nada aguentava ... todas derretiam ...Triumph, AJS, Matchless, Indian... foi aí que resolvi comprar uma HRD, adquirida no Edgard Soares... essas não enguiçavam ... depois disso, comecei a ganhar corridas e nunca mais parei ... nem quebrou a motocicleta !"

Foi esta máquina que o consagrou como "o pequeno grande piloto", dado os seus 1,64 m de altura e seus 54 quilos !

A consagração definitiva veio quando venceu em Joinville com a HRD Vincent 1000 ... até então os catarinenses eram insuperáveis em sua pista ... corridas eram realizadas e sempre vencidas por pilotos locais ... Danilo, com sua HRD 1000 conseguiu derrotar essas máquinas na categoria Fórmula 2 (Força Livre) , sendo o único piloto até então que conseguiu pilotar uma máquina deste porte em pista de terra e quebrar a série de vitórias ininterruptas dos catarinenses em sua própria pista !

Sr. Danilo: "--- Era uma máquina muito pesada ...eu conseguia fazer as curvas somente no motor... usava 3 das 4 marchas quase na pista toda ... no velocímetro via o ponteiro a quase 160 km/h, quando era a hora de colocar a 4ª marcha, reduzir novamente e preparar para a freada ... a reta ainda era curta ... mesmo no fim da reta, tinha às vezes que controlar a mão, pois mesmo naquela velocidade ela ainda patinava e queria levantar a frente ... os pneus daquela época ?? Eram Avon, ingleses ... eram lisos e para asfalto !"

Depois desta vitória, propostas para integrar a seleção nacional surgiram mas como o esporte era amador, era mais importante trabalhar, manter sua família e deixar as corridas somente para os domingos quando aí sim, tudo se encaixara perfeitamente.

Sua carreira oficial acabou no fim dos anos 60 , tendo como resultado 7 títulos Paranaenses praticamente consecutivos, um Campeonato Sul-Brasileiro (1965) incontáveis vitórias extra-campeonato e a participação em algumas corridas a nível nacional e internacional ...

Participou de uma 500 Milhas Internacional em Interlagos (1971), fazendo dupla com seu antigo rival Ubiratan Rios, conseguindo a dupla nesta competição um 5º lugar !

Dentre sua participações a nível nacional, lembra em Interlagos em 1962, com a famosa Lambretta 111, recordista deste circuito e que fora dos irmãos Tognochi. A mesma havia sido comprada recentemente após uma corrida em Curitiba e ele como piloto oficial daquela equipe, a Cicles Bittecourt, pilotaria nesta prova:

--- "Fui para Interlagos e nem sabia o traçado da pista ... dei 2 voltas e olhamos a vela ... mais 2 para acertar a carburação sob os olhos de Gualtiero Tognochi ... nas 2 voltas seguintes, igualei o recorde da pista, que era de Paulo Tognochi ... durante as 2 horas da prova, liderei 1:45 minutos ... no final da reta oposta, com a mão no fundo, furou o pneu ... ainda consegui fazer a curva, mas não deu pra segurar ... e caí !

Chorei !!! Perdi a chance de ganhar a corrida que valia a Taça Centauro !!!"

A época das Lambrettas tem histórias engraçadas... Giovanni Sgrô, proprietário da Italmotoneta participava das corridas como preparador (Equipe Italmotoneta) que disputava diretamente com a Lambretta de Carlo Papagna (Casa das Motonetas)... a rivalidade entre estas duas equipes era imensa... as Lambrettas de Carlo e Giovanni eram máquinas muito bem feitas e equivaliam-se, sendo a de Carlo Papagna preparada pelos seus amigos Tognochi de São Paulo e a de Giovanni Sgrô por ele próprio... numa destas corridas, na pista mista de São José dos Pinhais (parte saibro/parte asfalto), Danilo estava sentado no barranco ao lado da reta, desolado, pois sua Rumi 125 havia quebrado na bateria anterior, quando de repente, ouviu chamarem, ... era Carlo Papagna, que havia largado na bateria anterior e obtido um segundo lugar (a Lambretta de Giovanni havia ganho a primeira bateria) e que acabara de avistar Danilo sentado, assistindo a continuação das provas... Chamou-o para a pista e não dando-lhe tempo para indagar, colocou-lhe o capacete meio que às pressas e disse-lhe olhando nos seus olhos:

Sr: Papagna: --- "Chegue na frente daquela lá, só dela!!! Não importa a posição, mas chegue na frente!!!"

Esta foi a sua primeira corrida com Lambrettas... nem ao menos tinha treinado ou dado uma volta com tal máquina... conseguiu ainda, sob a autorização da direção de prova, dar uma volta na pista e conhecer a máquina...

Danilo largou e assumiu a ponta trazendo no seu encalço a Lambretta de Giovanni Sgrô... na disputa pelo primeiro lugar, as máquinas e os pilotos eram de níveis próximos e a briga pela primeira colocação intensa... a pista acabou ficando estreita para os pilotos que no calor da batalha, acabaram se enroscando...

Sr. Danilo: --- "As máquinas andavam iguais de reta e não existia diferença... na parte mista do circuito, fomos dividir uma curva e ele ficou por fora... Na ânsia de tentar voltar para dentro da curva, ele acabou perdendo o equilíbrio e caiu por cima de mim... Minha sorte foi que estava acelerando e o motor tinha um torque violento de baixa... na retomada, consegui sair dele, meio avariado, mas saí..."

Danilo que teve mais sorte, levou a Lambretta Iso de Carlo Papagna para a Vitória... ela estava inscrita na categoria Força Livre e arrebatou o prêmio do dia... desta forma, Danilo assumiu a pilotagem desta máquina naquele ano e trouxe muitas glórias ainda para a Equipe Casa das Motonetas...

Também ganhou a corrida de inauguração do atual Autódromo Internacional de Curitiba (1967) pilotando uma BMW 500 de 1951 modificada para a prova.

--- "A BMW resolvi modificar um pouquinho ...mandei fundir 2 pistões maiores e cabeçudos, trabalhei válvulas e cabeçotes ... foi para quase 650 cc... para complementar, coloquei 2 carburadores maiores e o resultado foi assombroso ! Além dela ficar rápida, as marchas eram elásticas e rapidamente o ponteiro do velocímetro engolia os 190 km/h !"

Trabalhou também como mecânico-preparador, pois um piloto aposentado, não consegue viver fora das pistas ... angariou diversos títulos em cada categoria que passou... Vice-Campeão Paulista nas TZ 350 com Adilon Mendes, em 1980 e Vice-Campeão Brasileiro na mesma categoria assessorando Ubiratan Rios, em 1981 e 1982 ... entre outros !

Participou também como preparador nas corridas de velocidade na terra e em diversas cilindradas .

Nos anos 70, o motociclismo no Paraná ficou jogado ao ostracismo e o autódromo de Pinhais (Internacional de Curitiba) abandonado ... os campeonatos praticamente inexistiam e o que se fazia para que o motociclismo não desaparecesse eram provas esporádicas...

Dentre essas provas, destacam-se as seguintes participações como preparador:

Prova de aniversário de Curitiba (1969) sob a pilotagem de Ubiratan Rios com uma Ducati Diana 250 de rua ... esta Ducati, no dia anterior, teve problemas no comando de válvulas que desgastou pelo entupimento num caninho de óleo... o comando foi refeito durante a madrugada com solda oxigênio e uma mola de amortecedor (acredite se quiser !), limado até casar nos graus certos , polido e retemperado com maçarico, óleo e prusciato ... no domingo, Ubiratan liderou a corrida deixando para trás a Aermacchi Alla D´oro pilotada por José Ferreira de Carvalho, sendo essa especial de fábrica ! Liderou mais de 2/3 de prova e abandonaram por fatídicos problemas elétricos !

Preparou uma Yamaha RD 250 para uma prova extra-campeonato em 1976, que pilotada por Mauro Bernoldi venceu a categoria Força Livre, sendo que nessa participavam motocicletas de concessionárias de Curitiba, como a exemplo de uma Honda 750 Four com Kit especial de fábrica 900 cc, que ficou em 2º lugar !

Nunca deixou de coexistir com este esporte nem com o ronco dos motores ... nunca desistiu da velocidade ...

Dos velhos tempos sobraram apenas as lembranças e as marcas de acidentes ocorridos nas competições ... sobraram também alguns troféus, medalhas, pistões, enfim, uma série de lembranças que jamais se perderão enquanto houver alguém que se interesse pelo passado das motocicletas e por esses homens que fizeram a história do motociclismo !

Será que temos história?
  
Marcelo Afornali...

Lembre-se:

Somente quem guiou um carro de corridas e sentiu a sensação da velocidade, sabe porque tantas pessoas deram a sua vida pelo esporte!!!!

"Sono i dettagli che fanno la differenza!!!"


----------------------------------------------------------------------------------

Sim...sei muito bem quem é Danilo Julio Afornali pois através de minha amiga e colaboradora do Histórias Graziela Rocha conheci o grande jornalista Ari Moro e através dele as histórias do grande Danilo. Mais tarde minha querida amiga Regina Calderoni me apresentou seu filho Marcelo Afornali, piloto de kart e Maestro Restaurador dessas pequenas grandes máquinas, que entre tantas outras atribuições é amigo e parceiro de meu grande amigo Claudio Zarantonello. 

Quero deixar aqui meu fraterno abraço ao senhor Danilo, minha admiração, respeito e carinho.

 Tomo a liberdade de lembrar aqui, entre tantos amigos motociclistas como eu,  três que lá do alto certamente olham por nós... Edgard Soares, Expedito Marazzi e Nivaldo Correa.

Rui Amaral Jr








quarta-feira, 11 de maio de 2016

Equipe Marazzi Amaral.

Talvez seja este VW que vai à frente que o Expedito e eu transformamos no D3.
Num destes experimentamos as belas rodas Scorro com os Pirelli Corsa...
Está complicado ver, mas nesta foto estou no D3 que fizemos correndo a Copa Brasil de 1972...

Devia ser 1974, Expedito tinha um posto de gasolina da Shell, na rua Heitor Penteado, 1720 no Sumarezinho. Um dos boxes do posto, estava com o elevador quebrado, era um daqueles elevadores enormes movido a ar comprimido, ali, Expedito acabou fazendo uma pequena oficina, onde guardava o “Fumacinha”, seu formula Brasil e uma tralhas que antes ficavam na garagem da sua casa.
Foi nesse posto que conheci o Rui Amaral. Nessa época, ele havia se associado com o Expedito para montar a equipe Marazzi-Amaral de divisão 3. Logo, um Fusca 1963 foi comprado, era um carro de cor verde claro e a transformação começou. Logico, Gabriel e eu não perdíamos uma oportunidade de ir ao posto ver o andamento da construção do bólido. Um mecânico, de apelido “Alemão” foi contratado. Com o tempo, o carro foi sendo modificado, um radiador de óleo foi instalado dentro do porta malas a meia altura, junto com uma entrada de ar de alumínio, ficou bonito. O primeiro problema foi a instalação do tanque de gasolina de 60 litros, ele não entrava, só caberia num Fusca 1964, que tinha uma maior capacidade. Expedito lamentou, pois em corridas longas, o carro teria que parar mais vezes, então, sugeri que se cortasse a carroceria, seria a solução, mas, como não tinham, a curto prazo, a intenção de correr longas provas, o tanque pequeno ficou, depois resolveriam o problema com mais calma.
O motor foi montado e, na primeira vez que foi ligado, lógico que eu estava lá. Era uma noite de chuva fina e frio, típica de São Paulo daquela época. Logo um problema apareceu. Eu, na época, não entendi o que estava acontecendo, mas pelo que lembro, saía umas chamas pequenas em algum lugar por baixo do motor ou algo assim. Expedito foi chamado, viu o problema, mas também não entendeu o que estava acontecendo, então, resolveu chamar o seu sogro, um mecânico de mão cheia. Rui disse que ia sair e consultar um amigo de apelido “Violão”, e eu, logico fui com ele e o Alemão até a casa do tal consultor. Me lembro que a casa do cara ficava ali perto, numa ladeira bem radical. O Violão tinha um Fusca de cor “café com leite”, mas um DoubleWindows todo mexido, lindo carro. A oficina dele era típica de quem tem paixão por carros, cheia de peças e muitas ferramentas. Os três se reuniram para achar o problema, eu, ficava por perto só ouvindo. Violão achou melhor ir ao posto para ver o qual era o problema.Já no posto, nova reunião e depois de um tempo, chegaram à conclusão que era alguma coisa com óleo subindo para o cabeçote ou algo assim, realmente nunca fiquei sabendo o que realmente aconteceu. Logo depois, meu irmão chegou, ficou por cinco minutos e me levou embora sob meus intensos protestos.
Dias depois, numa tarde fui com o Expedito e Gabriel para o posto pois as rodas e os pneus haviam chegado. Quando viu as caixas das rodas, Marazzi parecia criança em noite de Natal que acabou de ganhar seu primeiro autorama. Abriu as caixas rapidamente, chamou um funcionário do posto e pediu que ele montasse os pneus nas rodas, ordem logo frustrada pelo Rui.
-Calma Marazzi, isso não pode ser assim. Vou mandar montar e balancear.
Expedito imitando uma criança, fingia choramingar e repetia sem parar...
-Mas eu quero, eu quero...
Porem, prevaleceu o bom senso do Rui.
                Dois dias depois, as rodas estavam montadas e balanceadas, mais uma vez, fui para o posto. Expedito chegou logo depois, e novamente virou uma criança. Chamou o mesmo funcionário e pediu para que ele colocasse as rodas no fusca, e novamente foi contrariado pelo Rui.
-Expedito, não vai caber, a carroceria não está pronta, vai raspar nos para-lamas...não dá... deixa as rodas quietas...
-Mas precisamos saber se realmente estão balanceadas...
Foi a desculpa do Marazzi, que realmente era uma criança nessas horas. Talvez, só para satisfazer o Expedito, Rui autorizou a monta-las no Fumacinha. Pronto, festa no box do posto...
-Ebaaaa....Vamos, vamos, vamos montar... anda, anda, anda...Pega a chave de rodas... Vamos, vamos... vamos montar...
E assim, o jogo foi montado no Fumacinha. Ficou lindo o “formulinha” com aqueles pneus enormes. Logico, sobre a desculpas de ver se estavam balanceados, lá foi o Expedito para a rua com o Fumacinha... Era hilário ver aquele carrinho andando na Heitor Penteado ao lado daqueles CMTC enormes. Todo mundo olhava num misto de surpresa e alegria. Rui também tentou andar com o carro, mas devido a sua estatura, ele mal entrava no formula. Acho que nem saiu do lugar, ou deu uma volta dentro do posto e desistiu.
                O carro foi para funilaria e pintura. Foi pintado de amarelo e azul com o mesmo layout dos carros do curso de pilotagem, igual ao da foto. Na época, ainda não se alargavam os para-lamas, foi colocado uma aba que rodeava o carro servido para cobrir os largos pneus e na frente como spoiler.  Ficou bonito. No interior, quatro bancos, um parecido com bancos de kart para o piloto e os outros três, eram aquelas cadeiras de plástico, muito comum nas lanchonetes da época. Acho que era uma estupida exigência do regulamento, me lembro que o #29 do Guaraná também tinha. Alguns relógios extras no painel pouco modificado, Santo Antônio e extintor, atrás, no chiqueirinho, o reservatório de óleo.
                Não fui no primeiro teste, mas o Gabriel foi e me contou uma história inusitada. O Alemão foi dirigindo o carro, Gabriel ao seu lado no banco de lanchonete. Rui naturalmente, estava em outro carro com o Expedito. Quando trafegavam pela marginal de Pinheiros, Gabriel vê um pneu passando pelo carro:
-Ih, olha uma roda...
Alemão olha e responde...
-É...
O carro anda mais alguns metros e “buummm”... A traseira arreia...
-É, acho que era a nossa roda...
Completa o Alemão.
A roda foi para longe, e os dois ficaram esperando o Rui ir buscar, dar toda a volta para recoloca-la e prosseguirem.
Não me lembro como foi o teste, claro que devo ter feito mil perguntas, mas realmente não me recordo de nada.
                Num sábado, estava em casa quando ouvi o ronco do D3 chegando, meu pai, eu e meu irmão Beto fomos para a rua. Era o dia da estreia do bólido. O carro estava parado em frente à casa do Expedito, Rui dirigia e Alemão ao seu lado. Expedito saiu de casa carregando umas três latas de aditivos, Winner, STP e Molykote. Explicou onde era para colocar os óleos, Alemão indagou que precisaria de mais óleo para o motor. Marazzi mandou que ele pegasse no posto. Assim, Rui deixou rolar o carro, fez o contorno na entrada da rua Florália e subiu a Ibiraçu acelerando. Ficamos olhando os movimentos do carro parados no meio da rua, quando ele entrou na Cerro Cora e sumiu, meu pai comentou:
-Está bonito o carro.
Marazzi respondeu:
, está bonito, vamos ver se anda.
Foi a última vez que vi o carro.
Não sei como foi a sua estreia, e sei que logo depois a equipe acabou por algum motivo que só o Rui pode esclarecer, mas não faz a mínima diferença. Foi bem legal acompanhar a construção desse lindo carrinho. Pena que não há fotos dele. Quem sabe, agora apareça alguma.
Um forte e veloz abraço a todos.

Mario Marcio "Cuca" Souto Maior

---------------------------------------------------------------------------------------------

Algumas considerações; a ano foi 1972, as rodas o Expedito e eu compramos na Scorro do Marco Grilli, eram de 10 pol de largura, os pneus fomos buscar na Pirelli e eram os Pirelli Corça de competição que logo ficaram obsoletos com a chegada dos slick, com este carro  corri a Copa Brasil de 1972 depois parei e voltei às pistas anos depois...
Ainda ontem no cockteil do lançamento dos 500 KM de São Paulo o Gabriel e eu falávamos de seu pai e do Cuca quando alguém ao nosso lado disse ser fã do Expedito o mesmo que alguém escreveu ontem em um post meu...Gabriel lembrou que seu pai morreu aos 53 e para as lágrimas não descerem comentei em como o Cuca e ele que são sete anos mais novos que eu me perturbavam nesta época!
Expedito era 15 anos mais velho que eu, e descaradamente o chamava de Velho, e a descrição do Cuca mostra perfeitamente seu espirito! 
Hoje abro o texto do Cuca e ele conta justamente daquela época tão boa, obrigado Cuca pelo carinho deste tão gostoso texto!
Dedico estas pequenas considerações aos queridos amigos de uma vida Cuca e Gabriel e à memoria do Expedito, sempre lembrado em nossos papos, de quem fui fã e tive o privilégio de ser amigo!

Rui Amaral Jr 

   



sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Fala Expedito - Motor 3 1982

Meu amigo Expedito andando em nossos pequenos foguetes, alguns nem tanto como vocês podem ver no texto, meu carro havia quebrado a corrida anterior dois dias antes e não pode  andar. Nesta época nós os pilotos de ponta, Mogames, Elcio, Bruninho, Alvaro, Laercio, Marco, Tide e obviamente eu virávamos no circuito completo de Interlagos  em tempos por volta de 3m24s o que era muito rápido.
Abaixo vou colocar algumas fotos deste ano.

Rui Amaral Jr



















 Alvaro Guimarães, eu, Ricardo Mogames, Laercio dos Santos, Elcio Pelegrini e o sexto colocado Ferraz chegando na quebra de alguns pilotos de ponta.
Eu e Élcio Pelegrini no "S".
Largada com Elcio na pole, ao lado Mogames, mais atrás Bruninho, Elcio, Amadeu Rodrigues e eu...
#40 Amadeu Rodrigues e eu em corrida disputada no Anel Externo de Interlagos quando viramos à média de 180 km/h!

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Turismo Especial Paulista - D3 - 1982


Começo de 1982, vou visitar o Chapa - Flávio Cuono - e lá encontro o Gasolina que me convida para testar uma Brasilia D3 sua, ele me diz que o Chapa havia dito à ele que eu era um piloto rápido e acertador e queria que eu fizesse algumas corridas com seu carro. O teste foi um fiasco, o carro era muito ruim e mesmo que colocasse nele uma usina de força do Chapa não seria competitivo. De volta à oficina do Chapa ele me diz que os irmãos Levorin, Arno e Marcos, da Salecar estavam vendendo o carro que o Fabinho corria. Comprei o carro que veio com dois motores, dois câmbios, muitas rodas, mais dois Weber 48...e o Chapa e eu levamos para sua oficina.
Revisamos o carro todo, refizemos os motores e comprei mais um, colocamos meu banco, o cinto Willians de seis pontos, o contagiros Jones e os relógios Smiths e fomos para a primeira corrida que era a segunda do campeonato, até que fui bem e quebrei quando vinha em segundo ou terceiro lugar brigando com o Laércio.

Me preparando para recomeçar.
  1ª corrida, quebrado entre o Sargento e o Laranja.

Para segunda corrida trouxemos o Carlão para trabalhar no acerto do chassi e cuidar do carro na pista e tudo mudou e o carro que era bom tornou-se com nosso trabalho de acerto rapidíssimo, leiam EFEITO CANGURU  onde conto sobre. 
Meu único problema era largar com a Caixa3 e sua primeira marcha muito longa mas na época não encontramos um diferencial mais longo para correr com a Caixa1. Vejam que nesta segunda corrida o Elcio Pelegrini largou na pole com o tempo de 3.22alto que se não me engano foi record para D3 em Interlagos e na corrida brigando com ele cravei a melhor volta com 3.23 alto tempos rapidíssimos que nos colocariam brigando com os grandes pilotos da D3 dos anos anteriores como meus amigos Junior Lara Campos e Arturo Fernandes. Nesta corrida o Mogames e o Laercio largaram na ponta e Elcio e eu viemos brigando pelo terceiro lugar tentando chegar nos ponteiros e a corida terminou com os dois nas duas primeiras colocações, eu em terceiro e Élcio em quarto. 


Élcio larga na ponta seguido de Mogames, eu com o terceiro tempo fico patinando na largada...
  Eu e Élcio brigando na curva do Laranja...
...logo à seguir no S. As brigas com o Élcio foram uma constante na temporada, é trabalhoso e gratificante batalhar com um grande piloto como ele.
No podiun desta corrida alguns nomes que fizeram da D3 a categoria que ela foi...Alvaro Guimarães em 5º, eu em 3º, Ricardo Mogames 1º, Laércio dos Santos em 2º e depois de muitas quebras dos que brigavam na frente Ferraz em sexto.

Foi nesta temporada que fizemos uma corrida pelo Anel Externo de Interlagos, quando novamente cheguei na terceira colocação, leiam em PÉ NO FUNDO!ANEL EXTERNO minha descrição desta deliciosa corrida, vencida pelo Mogames com Laércio em segundo.

 Amadeu Rodrigues e eu...
...eu e Sueco Gonçalves, estou tomando a curva Um. 
Eu, Mogames e Laércio.

Alguns grandes pilotos que competiram na TEP em 1982
Marco de Sordi com Álvaro Guimarães em seu encalço, Tide Dalécio, Amadeu Rodrigues se preparando para ultrapassar Duran, atrás Clélio ""Bé" Moacyr Souza e eu...
A disputa com dois botas como Marco de Sordi e Tide Dalécio é sempre emocionante, na primeira foto venho lá atrás a depois de ultrapassar alguns carros já brigo com eles.
   Outro grande piloto com quem brigar sempre foi emocionante é Álvaro Guimarães, nesta foto na Ferradura eu venho rápido para colocar volta no Conde e ele no #38 para colocar volta no Ferraz...pela posição dos carros fizemos as ultrapassagens antes do final da curva, pois quando se vinha brigando com alguém rápido como o Álvaro tínhamos que passar os retardatários forçando em qualquer lugar! Na foto ainda Sueco Conçalves e José Ramos. 

José Antonio Bruno, outro grande piloto que esteve na TEP.
João que nunca teve um carro à altura...

Foram oito corridas do campeonato que foi vencido pelo Mogames, não corri a primeira nem a última e não tenho registro das outras colocações.

MOTOR 3

Por volta do meio da temporada e vendo a sucesso da categoria meu saudoso amigo Expedito Marazzi resolveu fazer a bela matéria para a excelente Motor 3, naquele dia não pude chegar à tempo de falar com meu amigo e o Carlão levou meu carro apenas para as fotos, e cheguei apenas à tempo da foto que encima este post. O carro estava com as rodas de transporte e sem motor já que na corrida do fim de semana anterior eu havia quebrado. Lembro que na corrida quebrou um eixo de balanceiro justamente quando finalmente vinha na ponta.
Acredito que Expedito tenha ficado chateado de não andar com meu carro e muito menos me ver por lá, coisa que ficou muito bem resolvida tempos depois.
Abaixo digitalizei o texto e mais abaixo coloco as páginas do artigo em tamanho grande para que quiser ler na forma original.     


   
  
 





Imagens digitalizadas em tamanho grande, clique para expandir.




Aos meus amigos Expedito, Chapa, Carlão e Neguinho, os três últimos responsáveis por minhas atuações naquele ano. 

Rui Amaral Jr 

NT: Muita bobagem tenho ouvido sobre a volta da D3 com carros VW, passou...
Um carro destes carros competitivo era caríssimo, devo ter estourado quatro ou cinco motores durante a temporada, usado muitos jogos de pneus, fora todo o resto...passou mas Graças a Deus nós estávamos lá!