A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador João Carlos Bevilacqua. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador João Carlos Bevilacqua. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

REVIVAL SHELBY 2018

`
É até complicado descrever a emoção de estar com os amigos, ainda mais quando um amigo vai homenagear outro, assim como é difícil descrever a maneira carinhosa como o Luis e o Rogério nos recebem em sua casa, a Shelby.
Ricardo, entre outras maravilhas, criou o Malzoni com que o Chico bateu o record de Interlagos, na década de 1960 ( prometo que o Chico e eu vamos escrever sobre!) e foi no Revival que Chico viu a obra e autografou!

  Chico Lameirão e Ricardo Bifulco
Chico com o Malzoni nas mãos, Ricardo com a foto com dedicatória e observando a pista Claudinho Carignato.

O Malzoni na plataforma autografada e a medalha do 1º lugar que o Ricardo ganhou no Revival.

OS AMIGOS
Fernando Stella Quintas, Ricardo Bock, eu, João Carlos Bevilacqua e Rogério Mosca.
Claudinho Carignato, João Carlos Bevilacqua, Fernando Stella Quintas, eu, Ricardo Bock e meu filho Francisco.
  Euu, Fernando, agora com Paulo Tohmé, João, Ricardo e Francisco.
O que estariam confabulando Claudinho e Tohmézinho?
Os Malzoni da Equipe Vemag feitos por Ricardo.
O Porsche em que Guaraná/Marinho Amaral e Paulo Gomes correram em Mans.
Dois carros do Grande Luiz Pereira Bueno, a Carretera Gordini e o Porsche 908/2

Rui Amaral Jr









segunda-feira, 28 de agosto de 2017

1971



Foi o ano que enfim estreei...junto com amigos que com a graça de Deus até hoje mantemos amizade, há pouco nos deixou o Guaraná com outros muitos outros mantenho contato como o João Carlos Bevilacqua, Edo, Jaacob...enquanto isto no mundo!!!!

Rui Amaral Jr 


sexta-feira, 19 de maio de 2017

Carcará

Jorge Letry o Carcará e Mario "Marinho" Cezar de Camargo Filho, em Interlagos. 
Retão de Interlagos ao fundo a saudosa curva Três.
 Ao Volante Norman Casar, de óculos Jorge Letry e boné Rino Malzoni.

"Caro Rui, bom dia. 
Com respeito ao motor do Carcará, quero informar que chegou no Rio para procedermos a aferição da marca, equipado com um motor de mais de 100 CV, e durante os primeiros testes em que notamos o problema de estabilidade direcional, sofreu um engripamento em um dos pistões e deve ter perdido em torno de 10% da potência, este fato era muito comum nos Motores DKW porque para obtermos melhor potência, trabalhávamos com mistura bastante pobre, em torno de 16 : 1 quando o certo seria de 15 ou 14 : 1, isto em função da perda de parte do poder de queima da gasolina 100 / 130 octanas em que adicionávamos óleo Castrol R, que prejudicava menos que os óleos 2 Tempo normais. Isto provocava um aumento de temperatura na câmara de combustão que fazia com que o pistão dilatasse ao ponto de prender nas paredes dos cilindros aumentando o atrito e, as vezes, prendendo os anéis de seguimento e prejudicando a compressão do Motor.
Tínhamos motor de + ou – 98 CV e poderíamos ter trocado mas o problema de estabilidade era mais importante e tínhamos pouco tempo para efetuar o teste, resolvemos então não substituir o motor, certo.
Rui creio que era isto que você queria saber.Qualquer dúvida entre em contacto.

Grande abraço,

Crispim "

Voando para o record...





O CARCARÁ foi uma criação do Departamento de Competição da VEMAG comandado por Jorge Letri, junto com Rino Malzoni e Anisio Campos, feito para estabelecer o record Brasileiro de velocidade para veículos até 1.000cc . Sua história é contada em muitas publicações e blogs e sites, aqui quero contar uma parte desta história que me foi contada pelo Crispim uns trinta anos atrás. 
Ontem liguei para o Crispim e perguntei se ele lembrava de ter me contado, e ele com aquela simpatia de sempre começou a contar de novo , ai eu disse põe num e-mail e me manda . Hoje ao abrir meu e-mail vejo ele contando o que segue .

Comentário e considerações minhas no post original de 14 de Abril de 2011, ao meu caro amigo Crispim meu muito obrigado, minha amizade e o respeito de sempre, um abração meu amigo.

Aos amigos João Carlos Bevilacqua e Fabio Farias.

Rui Amaral Jr

domingo, 23 de abril de 2017

Tazio...


Sim...simplesmente "o mais veloz sobre a face da terra" leiam o belo texto do Caranguejo..."Ao mais veloz animal da face da Terra, o mais lento"  é ele Tazio Nuvolari treinando com um Jaguar XK120 em Silverstone - Agosto de 1950 - para uma corrida de Sportscar, infelizmente já debilitado por uma enfisema sua participação se restringiu aos treinos.
Meu amigo João Carlos Godoy e meu irmão João Carlos Bevilacqua acertaram na mosca esta curiosa pergunta do Caranguejo. 

Abraços 

Rui Amaral Jr

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Le Mans 1966


Na leva de mais de vinte Ford GT40 inscritos para disputar as 24 Horas de Le Mans 1966, uma dupla explosiva foi inscrita pela equipe CONSTCOK RACING TEAN ninguém menos que Innes Ireland o primeiro piloto à vencer na Formula Um pilotando uma Lotus a 21 no circuito de Watkins Glen no ano de 1961 e Jochen Rindt o campeão de 1970 também com Lotus.
Em Mans largaram em 17º e a corrida deles durou apenas oito voltas com a quebra do motor.
Para variar meu amigo João Carlos Bevilcqua acertou tudo!


Innes entra no GT40

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Novatos 1971...

Nem parece que 45 anos se passaram...nas pistas batalhamos por posições aguerridamente, sempre com respeito e hoje com a Graça de Deus continuamos amigos...




Não corri a prova "Uma Hora de Calouros" pois não tinha um carro da D3, mas nas pistas meus amigo João Carlos Bevilacqua, Jacob Kounrouzan, Edo Lemos, Guaraná e tantos outros fizeram nosso espetáculo na preliminar dos 500 KM de Interlagos vencido pelo saudoso amigo Luiz Pereira Bueno, secundado pelo amigo sempre presente Chico Lameirão com Sidney Cardoso no Ford GT40 em terceiro.


Ricardo Bifulco, Guaraná, João e eu dois anos atrás.
Com Chico Lameirão, Fernando Lapagesse, Regina Calderoni e Jacob em Interlagos.
Joca, Fernando Lapagesse entregando um troféu ao Edo sob o olhar de Leon Lorena.

Ao receber o recorte de jornal do João dias atrás pensei em escrever sobre a corrida, mas postando as fotos fui pensando nos amigos, nas situações, lembrando tantas coisas boas que acabei me perdendo nestas belas recordações...

Aos amigos com carinho,

Rui Amaral Jr 


segunda-feira, 21 de março de 2016

Luiz, João, Edo, Jacob...

Antes tudo amigos queridos, apenas Luiz subiu antes da bandeirada final os outros sempre que possível vejo...Edo, Jacob e Joãozão começaram comigo em Estreantes e Novatos no ano de 1971.
Mais tarde posto as fotos da F.2 e das Lotus com as devidas explicações.

Um abração aos amigos

Rui Amaral jr

 Mestre Luiz e Lian em Córdoba como comentou João Carlos...na sua Argentina Juan.
  Jacob Kounrouzan , João Carlos Bevilacqua e Edo Lemos.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

ESTREANTES E NOVATOS

Para o amigo Fabiani.


Revista Auto Esporte Abril de 1971

Estreantes e Novatos na década de 1960, provavelmente meu amigo Fernando está aí!
Com o Fusca "emprestado"!
 Largada D3 nas fotos de Rogério Da Luz
Aqui um Lorena, deve ser do Jacó, KG e um Puma.
"Essa KG vermelha é do Oswaldinho Karajeleascow! Por pouco não saio nessa histórica foto. Estou um pouco à frente desse Opala. Essa deve ser a 1ª volta e quem vem riscando os capacetes é o José Martins Jr., o "Dentista Voador" e sua fantástica Puma GTE Espartana! Deixava todos largarem e ia buscando um por um! Nas cinco provas, sempre me passava entre o "Lago" e o "Sol" e sumia... Eu fazia o possível para não "obturar" sua passagem...Kkkkk! ........Os campeões do Torneio, por divisões:
Divisão 1/Corcel: Antonio Castro Prado – 28 ptos
Divisão 1/Volks 1300: Carlos Carvalho Siqueira – 19 ptos
Divisão 1/Volks 1500: Luiz Aladino Dias Osório – 26 ptos
Divisão 3/Volks 1600: Luiz Antonio Siqueira Veiga – 28 ptos
Divisão Karmann-Ghia: Ricardo Mallio Mansur – 28 ptos
Divisão Puma: José Martins Jr – 40 ptos
Divisão Opala: Hermano Silva – 24 ptos
No "Festival do Ronco" de 1972, nas sete divisões dos campeões, quem fez menos ponto, fez 19 e quem fez mais, 28! Nessa época, assim como na F1 os pontos eram: 8 - 6 - 4 - 3 - 2 - 1! Portanto, o único a ganhar as cinco provas foi o José Martins Jr! 40 pontos!" Ricardo Mansur

 Jr Lara, notem as rodas Scorro e os pneus Pirelli Cinturato que usávamos na D3.
 José Martins
 O KG branco de trás é meu amigo João Carlos Bevilacqua.
 Jr e Teleco
 Jacó recebe a bandeirada de Expedito Marazzi
Teleco-Luiz Antonio Siqueira Veiga
 Os VW D3 da Kinko, sempre muito bem feitos, nas mãos dos irmãos Yoshimoto.
O #8 Jr Lara, curva do Sol
Já contei para vocês como comecei a correr, naquele ano de 1971 estava tudo um pouco complicado. Interlagos passava por reformas, recém inaugurado Tarumã era longe, no Rio ainda existia o autódromo antigo, mas as corridas eram poucas.
Mas uma categoria sempre se destacava, era a Estreantes de Novatos, grande parte de nossos pilotos vindos depois desta data passaram por ela. As escolas de pilotagem já funcionavam, entre elas a de meu amigo Expedito Marazzi e a do Pedro Victor De Lamare, em São Paulo, no Tarumã também, no Rio não me lembro. Essas duas escolas tiveram como base os ensinamentos de Piero Taruffi, piloto da Ferrari entre outras equipes, que veio ao Brasil entregar o Premio Victor, que a Quatro Rodas concedia aos destaques do automobilismo da época. E em sua estadia no Brasil, teve um contato forte com o Expedito e o Pedro. Taruffi tinha na Itália uma escola de pilotagem, nos moldes da Jim Russel na Inglaterra. Foi na Jim Russel Drivers Scholl que Avallone e Emerson fizeram seus estágios antes de começarem a correr por lá. 
Mesmo antes na década de 1960, elas já faziam a alegria da garotada que queria ou dar algumas voltas numa verdadeira pista de corridas ou se iniciar na carreira, como atesta meu amigo Fernando Fagundes em seu blog. Não vou contar aqui que ele “surrupiou” o Fusca de sua mãe para correr, jamais faria tal coisa, mas muitos começavam assim!
O regulamento da Estreantes e Novatos seguia as normas da CBA que era regida, e ainda é, pelo anexo J da FIA, a grande maioria das corridas era no Grupo ou Divisão Um. Os carros dessa categoria eram quase originais, podendo apenas serem feitas poucas alterações como; escapamentos, a retirada do filtro de ar, pneus radiais, que eram raros na época, retirada de para choques, amortecedores mais rígidos, barras estabilizadoras e algumas outras perfumarias. Assim como a instalação de Sto. Antonio, que na época era apenas uma barra atrás do banco do piloto com uma terceira perna de apoio, mesmo assim alguns “malucos” faziam de PVC!
Ainda em 1970/71 corridas começaram a acontecer também numa categoria que seria talvez a mais querida de nossos torcedores, a Divisão 3, esses carros já bem mais preparados que os D1 aproveitavam o desenvolvimento que tinham os que corriam no Campeonato Brasileiro de D3, assim principalmente os VW usavam de todo aparato então desenvolvido pela MM na preparação desses motores, feitos por dois gênios do automobilismo, os Magos, Jorge Lettry e meu amigo Miguel Crispim Ladeira.
Os Pumas, Lorenas que se enquadravam em outra categoria, na principal corriam como Divisão 4, corriam junto com a D3 e as vezes D1, tinha sua classificação separada.
Comecei na D1, depois correndo no ano de 1971,  o Torneio União e Disciplina e o Torneio Sulamericano na D3 com um VW da equipe De Lamare. Na Copa quebrei nas duas corridas, começava assim já novato sentir o gostinho amargo das quebras!

Rui Amaral Jr

Minha credencial do Torneio Sulamericano, tenho até hoje, só não achei o arquivo e fui buscar no Saloma. 




No 6º lugar da 4ª largada o nome correto é João Carlos Bevilacqua
No Lorena Edo seguido por Ronald Berg





Aos meus amigos