A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Conta Borgmann...

CARRETERA x OPALA = onde irão se encontrar?
 José Cury Neto em Curitiba.
Opala D3 de Nelson Ely Filho.


Olá Rui, olá amigos,

O ano de 1968 marca, no sul, o fim do apogeu das carreteras no Sul.  Realizada a última corrida em pista de rua improvisada, os 500 km de Porto Alegre, no Circuito da Pedra Redonda, teve a vitória incontestável do BMW de Francisco Landi e Jan Balder. Em seguida será inaugurado o Autódromo de Tarumã, e a única carretera que ainda se mostrará competitiva será a do paulista Camilo Christófaro.

"Seu" Chico e Jan com o troféu da vitória dos 500 KM...à esquerda Vitório Andretta segundo colocado e direita Henrique Iwers terceiro.

A carretera do Catharino Andreatta, no Sul, tinha muitos admiradores.
A história da carretera vem de SP, nas mãos de José Gimenez Lopes, que importou motor e câmbio de Chevrolet Corvette para seu Chevrolet visando  a participação nas Mil Milhas Brasileiras em 1957. Mais tarde, quando passou às mãos de Camillo Christófaro, teve a carroceria rebaixada, freios a disco nas 4 rodas, e outros aperfeiçoamentos. Foi vendida depois ao paranaense José Cury Neto, que depois a vende ao gaúcho Catharino Andreatta.
Encerrada a fase das carreteras, o piloto Ruy Souza Filho adquire o carro e participa de vários km de arrancada.

 José Gimenez Lopez e o motor Corvette V8.
Gimenez Lopez nas Mil Milhas Brasileiras de 1958.
Nelson Ely Filho X Ruy Souza Filho em Lajeado 1978
Ruy Souza Filho arrancada em 2 de Agosto de 1969.
Ruy Souza Filho.
Pedro Victor e o Opala D3.

Eis que o piloto gaúcho Nelson Ely Filho adquire o Opala 4 portas que pertencia ao piloto de SP, Pedro Victor de Lamare, este passando aos GM de 2 portas.
Vale lembrar que os dois veículos mencionados são de épocas diferentes e nunca haviam competido juntos, mas...
Em 1978 o Opala e a carretera se encontram para medir forças em um KM de Arrancada, na cidade de Lajeado (RS). Dizem...dizem...que foi uma das poucas derrotas que a carretera sofreu. Será que foi nesta prova?
Hoje, restaurada, a carretera se encontra no Museu do Automobilismo Brasilweiro (Paulo Trevisan) em Passo Fundo(RS). Tive oportunidade de ver a carretera restaurada, maravilhosa...
A respeito de um comentário no seu blog, questionando o paradeiro da carretera "Brigite" que pertencia ao Catharino Andreatta: penso que a carretera #2 que mede forças com a #75 na foto abaixo, seria a famosa Brigite. Será? 

Um abraço


Luiz Borgmann

8 comentários:

  1. E O OPALA SUMIU, SERA QUE FOI PRO DESMANCHE ,COMO TODOS OS DIVISÃO 3 .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rui, o que meu pai, Caíto, que preparou o carro recorda é que toda a mecanica, suspensao etc foi passada ao 1o. coupé, e, após tentativas de vender o monobloco, que ficou meses do lado de fora da oficina, este acabou sendo vendido como sucata....

      Já o carburador Weber Quadrijet que se vê na carretera, um ficou conosco até o início deste ano de 2015, quando disponibilizei pra um inglês poder terminar o restauro de sua ferrari V12 que utilizava estes carburadores...

      Excluir
  2. Caro Borgmann, tenho a mesma suspeita, baseado numa foto da Brigite que vi no livro "Automobilismo no Tempo das Carreteras". Acredito também que ela tenha sido utilizada em uma volta em homenagem ao Catharino, quando da ocasião da inauguração da pista de Tarumã. Abç.
    Caranguejo

    ResponderExcluir
  3. Olá Caranguejo,
    Pois é, o paradeiro da Brigite é desconhecido. Vamos ver por onde anda a #32 de José Asmuz. Andei fazendo umas fotos desta última quando exposta no Museu da Ulbra, vou reunir o material e enviar ao Rui, que ainda pede material a respeito do Pedro Carneiro Pereira. Vamos ver o que conseguimos. Um abraço,
    luizborgmann

    ResponderExcluir
  4. A Brigitte carretera Ford 1940 #2 tricampeã das 1000 milhas com Catharino Andreatta e Breno Fornari é a aquela que aparece disputando km de arrancada com a carreta #75. Nesta época provavelmente já estava com motor v8 302 e suspensão dianteira de Maverick. Tive oportunidade de vê-la e toca-la agora em outubro. Quem conhece um pouco de automobilismo fica arrepiado e emocionado!!!! Esta sendo restaurada mas o plano é manter o motor v8 302 mas com o eixo original de 1940. A carretera #75 deve ser a chevy/corvette que foi do Camilo e depois do Catharino e que substituiu a Brigitte quando do inicio da supremacia dos motores corvette.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arrepia meso João Cesar, leia este post por favor....é do começo do blog, um dia dou um retoque nele...http://ruiamaraljr.blogspot.com.br/2010/04/carretera.html depois este... http://ruiamaraljr.blogspot.com.br/2009/12/parece-que-foi-ontem.html

      Um abraço

      Excluir

Os comentários serão aprovados por mim assim que possível, para aqueles que não possuam blogs favor usar a opção anonimo na escolha de identidade. Obrigado por sua visita, ela é muito importante para nós.

Rui Amaral Jr