A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta lorena. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta lorena. Classificar por data Mostrar todas as postagens

sábado, 18 de julho de 2009

Édo

O Lorena Gt Stachinni nas 12 Horas com Édo e Freddy .
Nas 12 Horas , tocando forte .

Aqui o Snobs , atrás Freddy O`Hara e o Lorena GT . Corrida de 1970 .



Conheci o Édo em 1971 , quando disputamos um torneio de estreantes e novatos promovido por Expedito Marazzi , corri na D 1 e ele na D 3 com seu Lorena GT , grande cara , figuraça , inesquecivel . O Freddy conheci anos mais tarde em Campos do Jordão , ele entra em minha casa e diz " Rui ,vim te conhecer " e eu " você é o grande Freddy O´Hara " como conta o Édo a seguir ele era o rei dos flahs das câmaras de TV , ficamos amigos , um grande cara , faz falta .
O depoimento a seguir está no site Lorena GT que conta a história deste fantástico carro .

Depoimento de Dwight Edson "Édo"Roosevelt Lemos

"Nas 12 horas o Freddy arranjou uma carroceria do Lorena (Leon) e o Mauro Stachinni que tinha uma oficina entrou com a montagem do carro e eu fui convidado para pilotar. Na época havia prémio para os 6 primeiros de categoria que fizessem os melhores tempos e completassem a prova. Então, como fiz o 3º melhor tempo, ganhamos o prémio de largada, com o mesmo tempo do Furia FNM 2150 da Camionauto, pilotado pelo Jaime Silva e Ugo Galina.
O Freddy tinha um programa de TV, em Salvador, BA, e fugiu com uma moça cujo pai não aprovava o namoro, e com a qual se casou, e teve filho. Com aquele fama de artista, ao invés de correr ficava dando entrevistas para a mídia. Assim eu corri 9 das 12 horas e ainda vim rodando de Interlagos até a Rua da Consolação na Oficina Stacchini, onde fui retirado do carro sentado porque não consegui me erguer!!! ahahahah!!!!" (Édo)
.
Este depoimento ele me enviou ontem .
.
"Rui , la vai uma historinha:
Nessas 12 horas tem uma bem gozada: o ,Osvaldo Barros quebrou na entrada da curva 4 circuito antigo , se enfiou no no motor ,do JK pra tentar consertar , acontece que o capô do Jk so abre parte, parece a boca de um Jacare dai; toda vez que eu passava , tirava uma fina dele que se assustava levantava rápido e tuuuuum batia a cabeça no capô,terminou a corrida com um monte de galos e eu com minha mãe elogiadissima'. "
.
Ao Édo piloto/pizzaiolo meu grande abraço . Ao Freddy nossa lembrança .

Fotos e 1º depoimento http://www.webng.com/lorenagt/5-provas-71-04.htm

terça-feira, 7 de abril de 2009

Édo , corredor e pizzaiolo .

Foto meu arquivo , Edo e o Lorena GT perseguido po Ronald Berg VW D3
Foto site Lorena GT , Édo e Freddy O`HARA no Lorena GT Stachini 6º lugar na geral nas 12 Horas de Interlagos 1971 .
Clique no jornal para expandir .

Conheci o Édo em 1971 na minha corrida de estreia , ele já era veterano , na primeira foto brigando com o Ronald Berg neste dia em que ele foi segundo nas duas provas que disputou , chegando atrás apenas de nosso amigo Jacob Kourozan . Na segunda foto o Lorena Stachini com que Édo e Freddy O`Hara correram as Doze Horas de Interlagos no ano de 1971 , já como piloto graduado . Esta e outras corridas deles podemos ver em http://www.webng.com/lorenagt/reportagens.htm . Deve ter sido uma loucura a corrida junto com o Freddy , um grande camarada , amigão que também nos deixou antes da bandeirada final , chegaram em sexto , brigando com os maiores nomes do automobilismo da época . Agora alem de tudo ele é também "pizzaiolo" . Vai lá Édo , aguardamos umas de suas histórias .!!!


terça-feira, 29 de outubro de 2013

Lorena Porsche

A réplica do Lorena Porsche de Sidney Cardoso feita por este menino travesso da foto! 
Fernando Lapagesse ao lado do Lorena e de outras preciosidades suas como o Mini Kart do Pace e o Fitti-Vê

terça-feira, 24 de setembro de 2013

LORENA GT - II Encontro Nacional

 Caminhava pelo Guarujá quando ouço me chamarem, do outro lado da rua vejo o Edo e esposa...um abraço e conto à ele que o pessoal que vai fazer o encontro da Lorena pede sua presença...pego seu telefone e passo ao Jacob e Fernando...
Eu não fui, mas um pedaço de meu coração estava com os amigos!

Ao Jacob, Edo, Fernando e todos amigos que lá estiveram

Rui Amaral Jr


 Jacob
por Jacob Kourouzan
Edo
Por Edo Lemos
 Fernando Lapagesse
 Joca, Fernando, Jacob, Leon, Helio Herbert, Mariluza Lapagesse...
 Leon e Fernando...


 Joca, Fernando e Edo...
Mariluza Lapagesse
Jacob, Leon, Joca, Charles Marchi, Jamile Marchi e Luiz Fernando
Leon, Joca, Edo, Denise Felissoni, Fernando e Mariluza Lapagesse, Jacob Kourouzan...
Mariluza e León Larenas , após a solenidade de entrega dos premios.
  Meu amigo Fernando Lapagesse do alto de seus 1.55m; um gigante dentro de uma pequena embalagem!  
Leon e Edo...
Waldomiro pai de Denise Felissoni...
Charles Marchi, Leon e Edo...
Charles, Leon, Fernando e Edo

Joca contando um pouco do evento.

Onde e quando Edo, Jacob e eu nos conhecemos!
clique na imagem para ampliar.


quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Sérgio

Sérgio Cardoso vencendo com a Alfa Romeo Giulia TI Super em Jacarepaguá. 

Na década de 1960 um equipe se destacava em nosso automobilismo, a Equipe Colégio Arte e Instrução da família Cardoso, nela corriam os irmãos Sérgio e Sidney. 
Na semana passada ao abrir um e-mail de meu amigo Jacob Kounrouzan é com surpresa que entre as fotos as que mostro agora enviadas pelo Sidney. Logo pedi à ele permissão para mostra-las.
Mais sobre os irmãos e equipe um dia mostro aqui, porem meus amigos Luiz Salomão e Joca já contaram em seus blogs muito à respeito deles, abaixo link para o post em que Joca conta um pouco da trajetória de Sérgio que pereceu nos treinos, num acidente, naquela trágica corrida de Petrópolis no ano de 1968.   
Ao Sidney meu muito obrigado pelo privilégio e um forte abraço.

Rui Amaral Jr






 A estreia do Lorena Porsche em Jacarepaguá. 

 O Karmann Ghuia-Porsche ex Dacon, da Equipe Colégio Arte e Instrução 

Sérgio na Estructofibra com o Lorena em primeiro plano.

Ao Sérgio que partiu cedo mas viveu intensamente.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

II Encontro Nacional Lorena GT começa hoje!


II Encontro Nacional Lorena GT
20 a 22 de setembro de 2013
Águas de Lindóia - São Paulo - SP

Organização:
Hélio Herbert - helioherbert@uol.com.br

Reservas:
Hotel Recanto Bela Vista
Vilma
contato@hotelrecantobelavista.com.br
19 3824-3766






sexta-feira, 12 de outubro de 2012

ESTREANTES E NOVATOS

Para o amigo Fabiani.


Revista Auto Esporte Abril de 1971

Estreantes e Novatos na década de 1960, provavelmente meu amigo Fernando está aí!
Com o Fusca "emprestado"!
 Largada D3 nas fotos de Rogério Da Luz
Aqui um Lorena, deve ser do Jacó, KG e um Puma.
"Essa KG vermelha é do Oswaldinho Karajeleascow! Por pouco não saio nessa histórica foto. Estou um pouco à frente desse Opala. Essa deve ser a 1ª volta e quem vem riscando os capacetes é o José Martins Jr., o "Dentista Voador" e sua fantástica Puma GTE Espartana! Deixava todos largarem e ia buscando um por um! Nas cinco provas, sempre me passava entre o "Lago" e o "Sol" e sumia... Eu fazia o possível para não "obturar" sua passagem...Kkkkk! ........Os campeões do Torneio, por divisões:
Divisão 1/Corcel: Antonio Castro Prado – 28 ptos
Divisão 1/Volks 1300: Carlos Carvalho Siqueira – 19 ptos
Divisão 1/Volks 1500: Luiz Aladino Dias Osório – 26 ptos
Divisão 3/Volks 1600: Luiz Antonio Siqueira Veiga – 28 ptos
Divisão Karmann-Ghia: Ricardo Mallio Mansur – 28 ptos
Divisão Puma: José Martins Jr – 40 ptos
Divisão Opala: Hermano Silva – 24 ptos
No "Festival do Ronco" de 1972, nas sete divisões dos campeões, quem fez menos ponto, fez 19 e quem fez mais, 28! Nessa época, assim como na F1 os pontos eram: 8 - 6 - 4 - 3 - 2 - 1! Portanto, o único a ganhar as cinco provas foi o José Martins Jr! 40 pontos!" Ricardo Mansur

 Jr Lara, notem as rodas Scorro e os pneus Pirelli Cinturato que usávamos na D3.
 José Martins
 O KG branco de trás é meu amigo João Carlos Bevilacqua.
 Jr e Teleco
 Jacó recebe a bandeirada de Expedito Marazzi
Teleco-Luiz Antonio Siqueira Veiga
 Os VW D3 da Kinko, sempre muito bem feitos, nas mãos dos irmãos Yoshimoto.
O #8 Jr Lara, curva do Sol
Já contei para vocês como comecei a correr, naquele ano de 1971 estava tudo um pouco complicado. Interlagos passava por reformas, recém inaugurado Tarumã era longe, no Rio ainda existia o autódromo antigo, mas as corridas eram poucas.
Mas uma categoria sempre se destacava, era a Estreantes de Novatos, grande parte de nossos pilotos vindos depois desta data passaram por ela. As escolas de pilotagem já funcionavam, entre elas a de meu amigo Expedito Marazzi e a do Pedro Victor De Lamare, em São Paulo, no Tarumã também, no Rio não me lembro. Essas duas escolas tiveram como base os ensinamentos de Piero Taruffi, piloto da Ferrari entre outras equipes, que veio ao Brasil entregar o Premio Victor, que a Quatro Rodas concedia aos destaques do automobilismo da época. E em sua estadia no Brasil, teve um contato forte com o Expedito e o Pedro. Taruffi tinha na Itália uma escola de pilotagem, nos moldes da Jim Russel na Inglaterra. Foi na Jim Russel Drivers Scholl que Avallone e Emerson fizeram seus estágios antes de começarem a correr por lá. 
Mesmo antes na década de 1960, elas já faziam a alegria da garotada que queria ou dar algumas voltas numa verdadeira pista de corridas ou se iniciar na carreira, como atesta meu amigo Fernando Fagundes em seu blog. Não vou contar aqui que ele “surrupiou” o Fusca de sua mãe para correr, jamais faria tal coisa, mas muitos começavam assim!
O regulamento da Estreantes e Novatos seguia as normas da CBA que era regida, e ainda é, pelo anexo J da FIA, a grande maioria das corridas era no Grupo ou Divisão Um. Os carros dessa categoria eram quase originais, podendo apenas serem feitas poucas alterações como; escapamentos, a retirada do filtro de ar, pneus radiais, que eram raros na época, retirada de para choques, amortecedores mais rígidos, barras estabilizadoras e algumas outras perfumarias. Assim como a instalação de Sto. Antonio, que na época era apenas uma barra atrás do banco do piloto com uma terceira perna de apoio, mesmo assim alguns “malucos” faziam de PVC!
Ainda em 1970/71 corridas começaram a acontecer também numa categoria que seria talvez a mais querida de nossos torcedores, a Divisão 3, esses carros já bem mais preparados que os D1 aproveitavam o desenvolvimento que tinham os que corriam no Campeonato Brasileiro de D3, assim principalmente os VW usavam de todo aparato então desenvolvido pela MM na preparação desses motores, feitos por dois gênios do automobilismo, os Magos, Jorge Lettry e meu amigo Miguel Crispim Ladeira.
Os Pumas, Lorenas que se enquadravam em outra categoria, na principal corriam como Divisão 4, corriam junto com a D3 e as vezes D1, tinha sua classificação separada.
Comecei na D1, depois correndo no ano de 1971,  o Torneio União e Disciplina e o Torneio Sulamericano na D3 com um VW da equipe De Lamare. Na Copa quebrei nas duas corridas, começava assim já novato sentir o gostinho amargo das quebras!

Rui Amaral Jr

Minha credencial do Torneio Sulamericano, tenho até hoje, só não achei o arquivo e fui buscar no Saloma. 




No 6º lugar da 4ª largada o nome correto é João Carlos Bevilacqua
No Lorena Edo seguido por Ronald Berg





Aos meus amigos