A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Wilson Fittipaldi. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Wilson Fittipaldi. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Conta Chico...

Na pole Pace e a P33 ao seu lado Chico e o AC e de Paoli e a Lola T70.

Chico no AC pouco antes da largada, ao seu lado a P33 de Pace.
Notem ao lado  a referencia à Marinho VW de Mario Cesar "Marinho" de Camargo Filho e ao preparador Roger Rezny. 
Pace lidera e Chico enfia o carro por dentro da Lola de Marcelo de Paoli!



.........., Então RUI que grata surpresa chegar em casa e encontrar essa foto que nunca a tive .....!!!!!!!!  Quantos """" recuerdos """ “.... !!!!!!    Não me lembro o mês dela, mas a bem da verdade a história começa talvez alguns meses antes ou mais tempo atrás..!!!!!!!

             Na EQUIPE JOLLY passaram sempre ótimos pilotos que além dos sempre titulares EMILIO ZAMBELLO e PIERO GANCIA nomes houveram de peso como CIRO CAYRES, CELSO LARA BARBERIS, LUÍS CARLOS SANSONE, UBALDO CÉSAR LOLLI, WILSON FITTIPALDI, CARLOS PACE, MARIVALDO FERNANDES......

             Em 1968 havia eu ganho o Campeonato Brasileiro, pois ganhei duas corridas com dois parceiros diferentes que foram EMILIO ZAMBELLO nos 500 QUILÔMETROS da GUANABARA e WILSON FITTIPALDI nas 500 MILHAS do mesmo circuito. INTERLAGOS à época estava em reforma, portanto  80'% das corridas aconteciam no AUTÓDROMO da GUANABARA  ((((  ainda estava longe para o tempo que nos iriam roubá-lo, lembrem - se )))))

 Pace e a P33


              Então a EQUIPE JOLLY começou o ano de 1969 com além de PIERO e EMILIO, CARLOS PACE, nosso saudoso MOCO e eu........!!!!!  Nesse momento chega ao TEAM uma SUPER MACCHINA, a ALFA ROMEO P33 que veio para uma demonstração no IBIRAPUERA do PARQUE INDUSTRIAL ITALIANO em que além de demonstrar máquinas  industriais várias veio essa JOIA Di CORSA, que está claro , chamou uma tremenda atenção para o público .....!!!!!


Curitiba - Marivaldo na P33 ao seu lado salvo engano Bica Votnamis e seu protótipo Corvette!


               Soube então que não iria fazer parceria com CARLOS PACE para dividir a condução do bólido........, ficando deveras desanimado pois ainda me encontrava em uma posição de desenvolvimento da """"arte de pilotar um auto de corrida """" e em que cada vez que se pega um carro mais rápido  é um momento muito importante na tua evolução ......!!!!!!

Testando o AC ainda no começo do projeto.


              Entra na história então o ENG. EUGENIO MARTINS, que me pede para passar em seu escritório me falando que comprou um auto A.C., protótipo este desenhado pelo ótimo ANISIO CAMPOS, em que seu motor seria um VW  1 .9cc  com virabrequim roletado, dois WEBBERs 48 mm, preparado pelo excelente ROGÉR REZNY ........ , realmente tudo de primeira qualidade, mas o carro ainda estava sendo construído na PUMA VEÍCULOS  mas mesmo assim já deu para me animar deveras, saindo """" do chão em que me encontrava """"".........!!!!!

               Carro pronto, em cima da carreta, saída da fábrica PUMA, ANISIO CAMPOS em pessoa iria rebocá-lo em sua SIMCA CHAMBORD preta........, eis que pergunto a ele se não era bom passar uma corrente para ir mais sossegado ..... Ele olha e diz que já se estava atrasado, final da tarde, ainda a andar - se até  ao RIO de JANEIRO, vamos assim , não vai acontecer nada ......!!!!!!!


               Fui de avião, afinal tinha que pilotar o bólido, chegando ao RIO bem cedo, pego um taxi e vou até ao AUTODROMO e fico esperando ANISIO CAMPOS e mais alguém que o acompanhou, cujo nome agora me escapa.......!!!!!! Passam-se enumeras horas sem notícias, quando  chega  o pequeno TEAM ........ , corro e vejo o auto todo destroçado...... não acreditando no que via .....!!!!!!  Na entrada da cidade, ANISIO sentiu a SIMCA mais """" esperta “""“, até imaginou em um momento que devia ser por estar ao nível do mar, mas aí olha no espelho e vê a carreta caminhando sozinha para um lado e para o outro e, e, e, pumba, acerta em cheio um poste em que por milagre não desce para um pequeno rio que margeia uma avenida.........!!!! Essa doeu......!!!!!!!!


               Novo auto, aí esse d'essa foto maravilhosa, o A.C. VW 1.9 entre a P33 com MOCO a pilota- lá e a Lola de Marcelo de Paoli e o  GT 40  FORD  de SIDNEY CARDOSO em que não aparecendo nesta foto, assim se minha memória ainda estiver mais ou menos a contento foi isso que aconteceu .

              Nos treinos experimentamos um aerofólio com regulagem elétrica, mas quando o se colocava em grau dava uma tremenda turbulência  ou interferências elétrica não me lembro direito, mas o facto era que o motor rateava por demais abandonando-se logo esse desenvolvimento .......!!!!!!


              Lembro que fizemos o segundo tempo, PACE e a  ALFA ROMEO P33 na pole,  vindo depois a LOLA T 70 e o GT40 ......!!!!!!!!!

                 Dada a largada, me passam tanto o GT 40 com SIDNEY CARDOSO como a LOLA T 70 de DE PAOLI, conseguindo eu passar no final da reta a LOLA e chegando a encostar em seguida no GT 40, mas antes de completar a primeira volta um balanceiro do motor faz o ar de sua graça  ............ , mas mesmo assim valeu......!!!!!!

             Seríamos felizes hoje se tivesse-mos aquele automobilismo sem as """" igualdades """"" de hoje , em que se tinha que puxar pela """" massa cinzenta """" para se fazer tentar andar na frente ou o mais próximo possível  da concorrência .........!!!!!!!

             Assim nasceram nomes como CAMILO CHRISTOFARO, BICA VOTNAMIS, RICARDO ACHCAR, WILSON FITTIPALDI e alguns mais que minha memória falha, não se lembra mais...!!!!!


               Caro RUI, esta é a """" pequena """"" história dessa foto, mas desse belo auto A.C. desenhado por ANISIO CAMPOS tem-se  mais causos a serem contados, mas ficará para uma outra vez , caso contrário  seus leitores """ dormirão """ sobre este papiro .......!!!!!


    Abraço amigo CHICO LAMEIRÃO


 Fritz Jordan com o AC 1.600cc no Rio.

____________________________________________________________

    Tomávamos um café e conversávamos, não lembro sobre o que, agora pensando talvez fosse sobre Roger Rezny e um post que devemos sobre ele. Chico foi seu amigo e eu estudei com seu filho no Colégio Paes Leme... e Chico começa a contar o que escreveu acima, depois pesquisando encontrei a foto dele passando pela Lola na freada!
Não encontrando a reportagem sobre a corrida recorri ao super Ronaldão Nazar que prontamente enviou as fotos,  obrigadão meu irmão!

Rui Amaral Jr
  



segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

6 Horas de Curitiba - arquivo Sergio Sultani

Ao ler o texto de meu amigo Ari Moro outro amigo o Sergio me enviou a reportagem da então ótima revista Auto Esporte sobre a corrida e a vitória da dupla Bird e Wilsinho com um pequeno Gordini sobre as carreteras com três vezes mais potencia fazendo dobradinha na corrida o outro Gordini da dupla Carlos "Moco" Pace e Carol Figueiredo chegou em segundo. 
Qual a mágica?
Na época eu tinha apenas 12 anos mas já acompanhava o automobilismo, impressionado com aqueles pequenos Gordinis que conhecia bem, um dia conto, o que eu não imaginava era o quanto andavam aqueles pequenos foguetes, isto só vim à saber anos mais tarde em conversas com meus amigos Bird e Chico Lameirão. Eram Gordinis sim mas impulsionados pelo fabuloso motor do Renault R8 de 1.108cc câmaras de combustão hemisféricas que alimentado por dois carburadores Solex duplos C40 PHH produziam cerca de 95 hps tudo isto com a caixa do R8 de quatro marchas.

Obrigado Sergio um abraço.

Rui Amaral Jr









A pequena usina de força que impulsionava os Gordinis!

Ari Moro
LINK



segunda-feira, 11 de março de 2013

Wilson Fittipaldi o Barão



Barão e Emerson
Por volta de 1953 Wilson e Elói Gogliano decidem organizar uma corrida nos moldes das Mille Miglia, então uma das provas com mais prestigio no mundo e que cruzava as estradas italianas. Porém no Brasil com a precariedade das estradas da época resolvem fazê-la em nosso Templo do automobilismo, Interlagos.
Sua organização foi dificílima mas com garra e ajuda de patrocinadores como a Bardhal finalmente em 1956 aconteceu a largada dessa que seria uma das mais importantes corridas brasileiras, e que sucumbiu muito depois pela ganância e a total falta de espírito esportivo de nossos dirigentes.
Na primeira Mil Milhas Brasileiras, o Barão e Elói foram ao  Sul buscar nossos grandes pilotos de carreteras do Sul e a todos os competidores pagaram prêmios de largada e chegada, num belo exemplo seis décadas atrás de organização e competência.
O Barão quase viu seu filho Emerson vencer as Mil Milhas Brasileiras de 1966, quando com um Malzoni correndo em dupla com Jan Balder quebraram quase no final, e acredito que um suprema felicidade viu seu filho Wilsinho e seu neto Christian vencerem a prova´mais de trinta anos após sua primeira edição.
Ao Barão que hoje nos deixou e Elói nosso agradecimento por tudo que fizeram por nosso esporte, nossa admiração e agora, nossa saudade!

Rui Amaral Jr      

MIL MILHAS BRASIEIRAS

 1956 
Catharino com Breno Fornari os primeiros vencedores.
Christian Heins e Eugênio Martins, 2º lugar em 1956
 Orlando, vencedor de duas edições das MM.



 Victório Azzalin recebe a bandeirada de Elói na vitoria das MM de 1965, que correu co Justino de Maio.
Chico Landi e Christiam Heins


Victório


Camilo e Celidonio
 Bird e Nilson Clemente
 Jan Balder
Julio Caio e Águia
 Guaraná e Luigi Giobbi
 Sueco e Zé Fercolin
 Ricardo Bock e Adolfo Cilento


 João Franco na largada das MM 1982 que correu com Ricardo Bock e Ronald Berg. 
 Ricardo M. Mansur
Tucano - Walter Barchi - empurra seu carro na chegada das MM 1984

PS: Tenho um arquivo grande de fotos das Mil Milhas Brasileiras, cada foto acima poderia descrever em detalhes, preferi apenas mostra-las. Faltaram grandes heróis, como Breno Fornari, mas certamente mostrei um pouquinho do que foi essa grande corrida. 

Alguns links 




Wilson Fittipaldi

Faleceu o Barão, à família Fittipaldi nossos sentimentos. 
Wilson seu filho Emerson em Montjuich, ao lado Lauda e Hunt.


quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Wilson Fittipaldi

Wilsinho com o Fitti FD o1 .
O Fitti Porsche com Wilsinho ao volante .

Formula Vê começo da carreira de construtor .

Construtor , piloto Wilson Fittipaldi muito fez no automobilismo , desde o Kart Mini construindo por ele e Emerson , passando pelos Formula Vê do inicio da carreira de construtor o Fitti Vê , depois ele e o irmão fizeram o Fitti Porsche e por fim embarcou no projeto do Formula Um Brasileiro . O projeto era de Ricardo Divila o D do FD que denominava o carro . Com seu F I provou que poderia construir no Brasil um bom carro , depois que Emerson veio pilota-lo chegou a ser competitivo , acredito que só teve um motor forte o suficiente em algumas poucas corridas . A Coswort na época oferecia seus super motores apenas a umas poucas equipes , e a Fittipaldi com certeza não era uma delas . Ficou a imagem do lutador , que por muito pouco não consegui colocar sua marca entre os melhores da F I .
Agradeço as fotos a meu amigo Orlando Belmonte Junior .

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Seis Horas de Curitiba por Ari Moro

Assim Ari Moro contou as Seis Horas de Curitiba ,



A carretera 27 de Altair Barranco/José Grocoski .

Carretera Gordini Equipe Willys .

Carretera Gordini e um Ford .


A freada do fim da reta , briga entre Simca e DKW .


Carretera 12 de Bruno Castilho .

"Se eu tivesse que escolher, preferiria quebrar o carro, mas, sentir o gosto de estar liderando uma prova, do que leva-lo até o final da competição, sem quebrar, mas, terminar a corrida sem ter ponteado um instante sequer." Esta, uma declaração de Altair Barranco, talvez o mais popular, o mais comentado de todos os pilotos de carreteira do Paraná, apesar de ter iniciado sua carreira numa época em que as competições automobilísticas começavam a experimentar uma nova fase, com a entrada em cena dos carros de fabricação nacional e o declínio do uso dos "carros adaptados", as famosas carreteiras.

AS SEIS HORAS DE CURITIBA
Em 1963, o jornal Gazeta do Povo promoveu a primeira das três emocionantes provas automobilísticas de rua, denominadas Seis Horas de Curitiba, reunindo pilotos locais e de outros Estados, sobretudo de São Paulo, de onde vieram nomes famosos como Bird Clemente e
Wilson Fittipaldi, pilotando os Gordini e as Berlinetas Interlagos da equipe Willys. Daqui, além de Barranco, correram pilotos de peso como Bruno Castilho, Adir Moss, Osvaldo Curi (uma das carreteiras mais bonitas já feitas), Johir Parolim:
Cidalgo Chinasso, Orlando Hauer, Conrado Bonn Filho (Dinho), entre outros, além do famoso Angelo Cunha, da cidade paranaense de Laranjeiras do Sul (dono da primeira carreteira a usar aros tipo tala-larga na traseira).
A largada, no final da tarde, foi na avenida Presidente Kennedy, sentido bairro-centro, seguindo depois pela rua Mal. Floriano Peixoto, virando na avenida Presidente Getúlio Vargas, descendo a rua Brigadeiro Franco - na praça do Clube Atlético Paranaense, contornando esta praça e dali em frente por outras ruas até chegar na avenida Presidente Kennedy novamente. ;
Conta Barranco que, pouco antes da largada, teve um desentendimento com Adir Moss. O caso sofreu a interferência do dirigente de entidade automobilística Anfrísio Siqueira, o qual chamou os dois pilotos e disse-Ihes que só largariam se um apertasse a mão do outro e fizessem as pazes. E assim• aconteceu.
Já na terceira volta Barranco liderava a corrida. Na esquina da Kennedy com a Mal. Floriano existiam umas tartarugas no meio da rua. Na primeira volta, Barranco passou por fora; na segunda, passou por dentro; e, na terceira, bateu com as rodas nas tartarugas, tendo que trocar uma delas depois. "Mesmo assim - relata - quando cheguei no final da reta da Mal. Floriano, na terceira volta, olhei para trás e não vi ninguém, nem o Gordini equipado com o motor R-8 francês dos paulistas. "
Mais tarde, Barranco entregou o volante ao piloto José Grocoski, seu companheiro de equipe. Grocoski, por sua vez, também na Mal. Floriano, pegou o meio fio e entortou uma roda da carreteira. O conserto do estrago custou à dupla um atraso de cinco voltas em relação "ao primeiro colocado. Na sequência, Altair pegou o volante de novo e, ainda na esquina da Mal. Floriano com a Presidente Getúlio Vargas, perdeu uma roda traseira, cujo aro foi cortado por dentro, ficando só o seu miolo. "Várias pessoas correram até meu carro e ergueram-no - conta ele - enquanto eu trocava a roda. Mas, eu só dispunha de roda tamanho menor, que era usada na frente, correndo o risco de quebrar o diferencial. Assim, tive que dirigir a carreteira até o meu box, na Kennedy, a fim de trocar a roda novamente, por uma maior. "
Apesar de todos esses percalços, Barranco conseguiu tocar seu carro até o final da competição e coloca-Io em quarto lugar. A sua carreteira na oportunidade era um Ford cupê 1940 - nO 27, com motor Mercury e equipamento importado, três carburadores, dando-lhe 300 cavalos.