A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Rui Amaral Jr. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Rui Amaral Jr. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de abril de 2017

O COMEÇO

Paulo no 550 RS Spyder


A primeira vez que andei em uma pista foi com meu irmão Paulo, ele e seu parceiro Luciano haviam comprado um PORSCHE SPYDER 550, e estavam treinando para os "500 km de INTERLAGOS", o ano era 1961 e eu estava com 9 anos. Depois de treinarem, me convidaram a dar umas voltas, não lembro quantas foram, só lembro o vento batendo em meu rosto no "RETÂO" e o asfalto passando rápido. O carro maravilhoso prateado com os bancos vermelhos já conhecia bem, pois ficava na garagem de casa. Em outro treino me lembro de um acidente na curva 3 que na época era chamada de " BACIÃO ", um piloto (depois fiquei sabendo que era um mecânico) passou reto na freada e caiu no barranco, pois na época não existia nenhuma barreira.
Sai correndo dos boxes, que eram no "CAFÉ" desci a "SUBIDA DOS BOXES" correndo, ao chegar na "JUNÇÃO" me apavorei, o mato era alto e a pista muito larga. Cheguei na 3 a tempo de ver o piloto saindo de maca, não sei o que lhe aconteceu.
Este foi o começo desta paixão...cheiro de gasolina e pneus , um barulho tremendo, adrenalina correndo solta.



Este foi um dos primeiros posts que escrevi ao começar o Historias, incitado que fui pelo amigo Carlos de Paula, lá se vão mais de sete anos e continuo com vocês e à mim grandes amigos se juntaram para contarmos historias antigas e novas de nosso automobilismo, obrigado à cada um de vocês que nos prestigiam.

Ao amigo e sócio Caranguejo,

Rui Amaral Jr

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

INTERLAGOS: SOBRA PAIXÃO, FALTA COERÊNCIA. Por Wagner Gonzalez


Terça feira 29 de Novembro tivemos na Câmara Municipal uma Audiência Publica por iniciativa do vereador Mario Covas Neto e do Deputado Federal Floriano Pesaro para que nós, os usuários da pista, mecânicos, chefes de equipe, pilotos, dirigentes, jornalistas e outros interessados possamos auxiliar o prefeito que assume em Janeiro seu mandato à decidir a forma com que nosso templo será administrada.
Dedico estes tempos do Histórias ao tema, crucial à nós que respiramos automobilismo, logo um texto de meu amigo Chico Lameirão que foi presença marcante na reunião, que contou ainda com a presença de Rita Landi, preocupada com o autódromo que seu pai imortalizou e ajudou à administrar tempos atrás.

À você caro Wagner parabéns por sua colocação do problema e obrigado pela citação ao meu nome, um forte abraço.

Rui Amaral Jr 

 INTERLAGOS: SOBRA PAIXÃO, FALTA COERÊNCIA. 
Wagner Gonzalez

Iniciativa bastante válida do vereador Mário Covas Neto e apoiada pelo deputado federal Floriano Pesaro, a reunião realizada nesta terça-feira, 29, em auditório da Câmara Municipal de São Paulo para discutir a desestatização do Autódromo de Interlagos mostrou que sobra emoção e falta coerência entre os interessados no assunto.

Em meio a colocações que lembravam textos do gênero “esta é a minha história” e outras que tais , porém, porém salvaram-se propostas interessantes, algumas surpreendentes, e ficou clara a forma inadequada como a SPTuris trata do “equipamento”, como o circuito é chamado no jargão urbanístico.

Covas Neto e Pesaro lideram o processo de tombamento de Interlagos como patrimônio imaterial da cidade, algo por si só relevante e consequente frente às reiteradas menções do valor imobiliário do terreno com área aproximada de um milhão de metros quadrados. Cyro Laurenza, que faz parte da equipe que cuida da transição do poder municipal nas gestões Haddad e Dória, justificou sua presença ao mencionar que a área estar inserida em um portal de grande importância turística, mais importante: 
“Não podemos privatizar (Interlagos). O terreno não tem dono.”

De maneira mais direta e sucinta, Floriano Pesaro tocou na ferida quando ao justificar o pedido de tombamento afirmou que “Interlagos é pista de corrida”. Covas Neto iluminou ainda mais a forma como a SPTuris administra o autódromo dando números:

“A F-1 cobra uma reforma anual e (nos últimos anos ) foram injetados em Interlagos R$ 316 milhões de dinheiro público, sendo que toda a renda do evento da F-1 vai para o promotor do GP”, que não contribui em nada nas reformas e manutenção.

O vereador lembrou ainda que o custo para construir o autódromo do Bahrein, um dos mais modernos no mundo, é estimado em US$ 150 milhões. Pior: todas as reformas realizadas em Interlagos levam em consideração apenas e tão somente as necessidades da F-1 e raramente contemplam e consultam o universo das equipes, pilotos e imprensa que usam o local nas datas em que são contemplados.

Integrante da mesa que mais se destacou pela maneira como se comportou na reunião, o presidente da SPTuris Alcino Reis Rocha usou do típico discurso de administrador público ao lembrar mais do mesmo. Admitiu que as obras estão atrasadas por causa do Governo Federal, que o deficit da administração do autódromo passou de “muito grande em 2015 para menor em 2016 e que deverá ser zerado em 2017”. Em todas as suas colocações Reis Rocha deixou claro que a F-1 é a principal preocupação da entidade, o que, obviamente, gerou protestos dos presentes. O administrador fechou sua participação no evento saindo apressadamente recusando-se a responder questões da imprensa.

Como era esperado, o público que atendeu ao convite de Covas Neto deixou clara a insatisfação como o automobilismo paulista é tratado pela SPTuris: dificuldade em conseguir datas, impedimento de usar os boxes, instalar as equipes sem prover infraestrutura mínima e, tal como anunciado há semanas, aumentar o aluguel da pista de R$ 16.095,00 para R$ 41.500,00 por dia.

O pior de tudo é o que revela a colocação do empresário Orlando Sgarbi: “Não se sabe qual é a prioridade sobre o uso de Interlagos. Fala-se de privatização mas há cerca de 11 anos o autódromo foi privatizado através do decreto municipal 45.822, de 7 de abril de 2005, pelo prefeito José Serra.”

A concessão, lembra Sgarbi, “é gratuita e precária”, o que deixa margem ao seu cancelamento, algo que se justificaria pela qualidade da gestão desenvolvida: a outorga é gratuita e livre de impostos e, como admitiu Alcino Reis Rocha, mesmo assim dá prejuízo. Boa surpresa David Costa, estudante de arquitetura e morador vizinho ao autódromo, que apresentou um estudo intitulado “Interlagos, polo sócio-cultural da velocidade”. Ainda que a volta do traçado antigo seja discutível e não prioritária, o gesto mostra que a juventude ainda tem olhos para o esporte.

Fazendo contraponto, o veterano piloto Ruy Amaral Jr ao notar um ambiente tenso ponderou que “a união em nosso meio tem que acontecer de baixo para cima, precisamos nos fortalecer para conseguir o que queremos”.

Sem dúvida, a união da comunidade automobilística será uma arma poderosa na luta para devolver Interlagos à razão de sua existência, algo que não exclui a utilização da pista para eventos outros que não sejam vinculados ao esporte a motor. A semente lançada por Mário Covas Neto deixou isso claro, assim como o fato que o novo prefeito não transmitiu claramente o que quer fazer com o autódromo. Deixá-lo nas mãos da SPTuris, que comprovou sua inépcia na gestão da pista e também no Parque Anhembi, outrora centro de exposições dos mais ocupados do Brasil e atualmente praticamente abandonado, está longe de ser uma solução aceitável. Que o tombamento seja a primeira batalha vencida nessa guerra para salvar o primeiro autódromo brasileiro e um dos primeiros do mundo.

WG


terça-feira, 8 de novembro de 2016

S...

...a curva do S é composta de duas curvas, a primeira chamada de S mesmo e a continuação a curva do Pinheirinho pois lá nos primórdios do autódromo existia uma araucária mais conhecida por Pinheiro.
Mesmo hoje com a descaracterização de nossa pista ele continua parecida com a verdadeira, apenas a chegada dela que antes vinha de uma reta entre a curva do Laranja e sua tomada e hoje vem daquela excrecência chamada de Laranjinha.
Nas duas fotos estou nelas, na primeira freando depois da reta que nos trazia do Laranja e na segunda saindo do S e já tomando o Pinheirinho, em ambas na Divisão 3, a primeira caso não me engane em 1978 a segunda em 1982.

 Neste carro eu entrava no S em segunda marcha, depois de reduzir de quarta para segunda, um pouco adiante do carro que ia à minha frente uma acelerada forte e tirava um pouco o pé para entrar no Pinheirinho logo voltando acelerar forte. Este carro que comprei do grande Luiz Pereira Bueno foi pilotado por meu amigo Jullio Caio de Azevedo Marques para a equipe Hollyhood, o cambio era uma Caixa Um com a primeira e segunda marchas mais curta que o outro, apesar do diferencial ser o mesmo 8:31.
   Aqui estou tomando o Pinheirinho com o Elcio Pelegrini em meu encalço, com uma Caixa 3 com a primeira longa que alcançava com o diferencial 8:31 algo como 95/105 km/h, vinha em terceira na reta que antecedia, entrava no S em primeira para saindo do ponto de tangencia acelerar forte e colocar a segunda marcha para logo à seguir de uma pequena tirada de pé fazer o Pinheirinho, onde logo após a tangencia acelerava forte indo até a zebra do lado de fora, em ambos os carros os pneus era 10/20/13. 

Rui Amaral Jr

terça-feira, 18 de outubro de 2016

D3...


Lembro muito bem...tinha dezoito anos e havia estreado talvez um mes antes na D1, agora havia alugado aquele VW D3 da equipe do Pedro Victor pintado como todos carros da equipe e de sobra com o número que o campeão usava em seu Opala D3.
Quando vi o carro fiquei louco, aquelas rodas Scorro com  pneus Pirelli Cinturato 165/13 na dianteira e 185/13 na traseira, o banco concha o volante Fittipaldi e aquela usina de forção atrás com dois Weber 48 IDF e escamento quatro em um e o cambio uma Caixa 3 da MM.Talvez aquele motor tivesse uns 90/95hp e mais tarde pilotei com os mesmos motores de 1.600cc com cerca de 150hp.
No primeiro treino vesti o macacão e capacete, sentei naquele banco concha, atei o cinto abdominal e lá fui eu...acelerei para limpar aquela primeira muito longa ainda na saída dos boxes, saí dos boxes ainda em primeira olhando para ver se não vinha ninguém muito rápido na curva UM, naquela época a saída dos boxes era quase no ponto de tangencia da curva.
Segui na linha que demarcava a saída dos boxes já em segunda, sentindo a força daquele motorzinho e principalmente aque cambio onde uma marcha era muito perto da outra.
O contagiros não funcionava e o Pedro havia me dito para trocar as marchas de ouvido, era apenas minha segunda corrida mas já sabia quando um motor chegava ao seu limite...segunda, terceira e já estava no começo do Retão para logo em seguida enfiar a quarta o carrinho acelerando sempre...
Era muito diferente de tudo que havia guiado até então, mesmo com os freios de tambores freava lá dentro na curva Três...entrava na Ferradura acelerando para na segunda perna reduzir de quarta para segunda a mesma coisa que fazia na curva do Sargento...enfiar a primeira na entrada da curva do S e já fazer o Pinheirinho em seugunda...terceira na saída dele e novamente primeira na entrada do Bico de Pato...

É eu me lembro muito bem...

Aos meus amigos Caíto Telles preparador da euipe e Tito que reproduziu o carro do qual não tenho nenhuma foto. 

Rui Amaral Jr

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

VW...

1982 D3 - motor 1.600cc com mais ou menos 150hp, cambio de quatro marchas com relações Caixa3 ou Caixa1, freios à disco nas quatro rodas, rodas 11pol com pneus Maggion 10x20, amortecedores Barchi -eram proibidos os importados-, álcool combustível,  cárter seco com 8 litros de óleo no reservatório, dois Webber 48, escapes cruzados ou 4x1...preparação do motor Chapa - Flávio Cuono , chassi Carlão.

 Tomando a curva Um em Interlagos.
Ao lado de Amadeu Rodrigues.
Quebrado na entrada do Laranja.
Saindo dos boxes.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Interlagos












1969 - Aos 16 anos quando chegava a então ótima revista Quatro Rodas eu não lia nada, nadinha, antes de ler o caderno “Alta Rotação” que era o que me interessava, as corridas e novidades do esporte. Nesta edição na página anterior do citado caderno vejo uma excelente reportagem do Pedro Victor de Lamare testando o AC-Puma protótipo com motor VW desenhado por Anísio Campos e feito pela Puma, um dia vou pedir ao Chico - Lameirão - para que conte para vocês suas andanças com este carro, à mim ele já contou mas eu não saberia reproduzir com sua riqueza de detalhes. No texto Pedro conta que logo o carro virá com um motor VW preparado por Roger Resny e sobre este grande preparador fico devendo um post à vocês!
E...na primeira matéria do caderno meu coração palpita ao ver o andamento da reforma de Interlagos...já sabia que era lá que eu iria estrear nas pistas como de fato aconteceu exatos dois anos depois desta edição de Março de 1969...peguei meu carro, um Karmann Ghia branco e lá fui ver como andavam os trabalhos.
Lembro que a reforma da pista havia começado na administração do grande prefeito e também um grande homem, o Brigadeiro Faria Lima, e prometia fazer de Interlagos uma moderna pista aproveitando seu maravilhoso traçado apenas modernizando e      melhorando muito o que já era bom. Os boxes saíram de “Café” e foram para a entrada da curva “Um”, um túnel foi feito para que seu acesso fosse por baixo da “Reta dos Boxes”...mais vocês verão no texto da reportagem. 
Pois bem, Interlagos serviu muito bem à todos, Bernie começava à mandar na F.Um mas ainda não era o senhor absoluto dos destinos, e muito menos a administração de nossa cidade era comandada por nenhum desvairado que assinasse um contrato com a categoria que deixasse ao bel prazer de seus dirigentes os destinos de nossa pista, como acontece hoje.
Chega o ano de 1978 e Interlagos perde a realização do GP Brasil de F.Um para o Rio de Janeiro e o belo e saudoso Jacarepaguá, durante treze anos nosso GP foi disputado lá e um dia por falta de verba da prefeitura do Rio o GP volta à Interlagos, não sem antes nossa prefeitura assinar com Bernie um contrato leonino onde o então já senhor da F.Um dita as regras, faz e desfaz, simplesmente manda!
E para termos o GP de volta Bernie resolve que os 8 KM de extensão do autódromo, então já rebatizado com o nome de José Carlos Pace, deve perder metade de seu tamanho e ordena à nossa prefeitura que efetue o serviço.
Entra então em cena Ayrton Senna o grande campeão, um dos grandes campeões de todos os tempos na história do automobilismo mas certamente mal orientado por algum puxa saco de plantão, e eles estão sempre presentes, que certamente insuflando seu ego o convence daquela ideia de fazer um “S” logo depois da Reta dos Boxes tirando do belo traçado aquela seqüência emocionante que eram as curvas “Um”, “Dois” a descida do Retão com 850 metros a desafiante curva “Três”, cortando a maravilhosa curva do “Sol” pela metade e invertendo o seu sentido, deixando do antigo traçado apenas o “S’ original, “Pinheirinho”, “Bico de Pato”, “Mergulho” e descaracterizando totalmente a curva da “Junção” fazendo dela uma alavanca perigosa para a “Subida dos Boxes” onde vários acidentes já aconteceram pela forma perigosa com que ela foi modificada.

 O "S" onde nosso grande campeão deixou sua impressão digital ou inicial na mutilação!

A pista era maravilhosa e nesta modificação foi transformada neste circuitinho onde hoje a atual administração de nossa prefeitura comete as maiores barbaridades deixando na mão milhares que dela sobrevivem. 
Não é saudosismo, simplesmente tristeza por todas atrocidades que fizeram e fazem em nosso templo!

Rui Amaral Jr

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Desanuviando...

Na entrada do Laranja quebrado em corrida, nesta caso a culpa não foi minha!

...um pouquinho estava brincando com alguns amigos no Face e mostrei minha foto quebrado na entrada da curva do Laranja no autódromo José Carlos Pace-Interlagos no ano de 1982, aqui um parentese; gostaria que todos que citassem nosso autódromo o fizessem usando o nome de nosso grande piloto.
Pois é, lá eu disse que havia quebrado uns 50 motores e na verdade nem sei a conta, lembro que na Copa Brasil de 1972 foram 5, depois perdi a conta, um deles lembro muito bem estourei na saída dos boxes, não havia percorrido nem 500 metros com ele! 

Edião, eu e o Chapa, invocado demais ele! Um abração meu amigo, obrigado por tudo.

Testava uma relação de marchas com a primeira e segunda marchas mais curtas e o impaciente Chapa mandou que saísse para dar algumas voltas para depois ele verificar tudo. Quando ia vestir as luvas ele vociferou "vai sem, são só duas ou três voltas!"...na saída dos boxes em segunda marcha percebi que o espelho do lado esquerdo não estava acertado e ao colocar a mão naquele pequeno buraco da janela meu relógio abriu e quase cai...tentando segura-lo sem querer afundei o pé direito no acelerador e o motor que o limite de giros era + ou - 7.500 RPM foi apenas à 9.000 e muitas abrindo um buraco do tamanho de minha mão no bloco do pobre motor.
Encostei no acostamento e procurei atrás do conta giros a chave da espia, queria voltar "um pouquinho" mas não adiantou o experto Chapa havia tirado...e a bronca que veio depois prefiro não comentar!

No Laranja, notem o pequeno tamanho do buraco no acrílico! 
Meu pequeno pé direito não é culpado de nada!
Meu painel era idêntico à este, outro dia o Chico que me vendeu o conta-giros lembrou que foi ele que fez. No conta-giros mecânico, o acionamento saía com um cabo da bomba dupla de óleo o ponteiro vermelho era a espia que ia até onde o motor era levado e não voltava, zerava apenas com uma chave igual à uma de porta e localizada atrás dele.    

Aos amigos Ana, João, Marcelo, Duran, Giso, Danilo, Joel, Miltinho...a culpa nunca foi minha!rs

Rui Amaral Jr  

NT: Calculo que cada um deses motores que na época usavam muitas peças importadas e de ponta no automobilismo mundial custasse por volta de R$ 35/40 mil em 82 eu tinha três deles e só para enquadrar o comando de válvulas o Chapa levava cerca de 3/4 horas, daí a bronca do Velho!  

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Luiz Henrique Pankowski

 Conde

A oficina do João Lindau em Santo Amaro tinha de frente para rua talvez uns 7 ou 8  metros e se estendia por uns 40 metros de fundo, na entrada ao lado da passagem dos carros havia um pequeno escritório e foi lá que ao entrar o João me apresenta seu amigo "conhece o Conde?", logo em seguida pega uma revista Quatro Rodas com uma Brasilia na capa andando por Interlagos e mostrando me diz "é o Conde!". Jamais perderia tal oportunidade e olhando a revista disse "está fraco e errado!"(rs) isto aconteceu por volta de 1978 e aí começou a nossa amizade. 
Depois o Conde correu em diversas categorias em sua carreira, turismo onde foi campeão, protótipos...mas isto tudo um dia ele nos conta, hoje quero apenas mostrar algumas das fotos que ele me enviou ontem e deixar um baita abraço ao amigo e esperar até amanhã quando novamente nos encontrarmos para um scoth ou cerveja na casa do Duran rirmos mais um pouco e contarmos um montão de "mentiras"!

Rui Amaral Jr    



 Campeonato Brasileiro de Marcas 1990, Curitiba.
  Campeonato Paulista de Marcas 1988, Conde no Escort #23
 Campeonato Brasileiro de Marcas 1991 Interlagos, Conde com o Escort #45
Campeonato Brasileiro de Marcas 1991 Interlagos, tomando o Pinheirinho.
De agasalho azul João Lindau no box do Conde.
D3 1982 Interlagos, no #8 persigo o Conde no meio da Ferradura!

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Podia ser...Mônaco 1984

 Senna
Bellof

1982: fui até o kartódromo de Interlagos pedir ao meu amigo Victor Chiarella um banco de kart, acreditem ou não naquela época usávamos eles em nossos D3, olho para pista e vejo incrédulo um piloto treinando muito forte, sua tocada era perfeita e eu que conheço grandes kartistas fiquei por uns 10 minutos olhando admirado, naquela época ele já tendo vencido na Formula Ford inglesa e estava naquela difícil fase de parar ou continuar!
Chega o Vitão e pergunto quem era o piloto, ele responde “Ayrton Senna” ao que retruco “caso esse menino sente num F.Um certamente vai ser uma sensação, vai ser campeão do mundo!”. E foi...desde o dia em que pela primeira vez tocou o Toleman-Hart no Rio de Janeiro até o fatídico acidente de Imola.
Acompanhei sua carreira na Formula 3 inglesa e a chegada à Formula Um, um tempo incrível onde por alguns anos tivemos dois grandes talentos na categoria, dois talentos naturais dois herdeiros natos de uma leva de grandes campeões! 
Outro dia meu querido amigo Ronaldão Nazar coloca em meu perfil do Face uma entrevista que o jornalista Livio Orichio(link) fez com outro grande piloto, o belga Jacky Ickx, por ocasião do último GP de Mônaco. Acontece que o jornalista praticamente toma satisfações de Ickx sobre a interrupção do GP de 1984 e inclusive faz uma alusão à grande corrida que também fez Stefan Bellof aludindo ser mais “fácil” pilotar um carro com motor aspirado naquela situação.
Ora bolas! Apenas quem nunca colocou a bunda em um carro de corridas pode dizer tal leviandade, aquela corrida mostrou ao mundo dois talentos naturais, dois grandes pilotos que certamente foram os nomes da corrida; Senna e Bellof . E querer reviver trinta anos depois a atitude tomada pelo diretor da prova é no mínimo estranho! 
Acredito sim que Ickx tomou a decisão acertada para aquela hora, pois piloto experiente sabia muito bem tudo que poderia acontecer.
Com sua experiência evitou algo pior pois com certeza sabia que ele mesmo dentro de um daqueles carros gostaria de continuar acelerando fossem quais fossem as condições, aliás como é natural em cada piloto competitivo, nunca se importando com as condições querendo sempre acelerar!
Longe da F.Um vou mostrar à vocês duas condições parecidas, uma na D3 quando nosso amigo e piloto experiente Álvaro Guimarães foi atestar as condições da pista antes de um largada, nas fotos de Luiz Guimarães podemos ver as conseqüências.
A outra que envolve um grande amigo meu o Ricardo Bock quando um diretor de prova autorizou a largada e infelizmente no aguaceiro que caia sobre o Retão de Interlagos os carros aquaplanaram e na batida que envolveu vários carros perdeu a vida o piloto Valdir Del Greco.
Por fim quero dizer que devemos celebrar nossos grandes campeões que tantas alegrias nos deram na F.Um desde a primeira vitória de fabuloso Emerson Fittipaldi em Watkins Glem, passando pelo fantástico Nelson Piquet e lembrar do inesquecível Ayrton Senna por cada uma das poles e vitórias, deixando de lado intrigas disse me disse e outras fofoquinhas.
Salve os nossos três “ON”, Emerson, Nelson e Ayrton...e que um dia possamos ter novamente outro piloto à altura deles! 


Rui Amaral Jr

NT: A melhor volta no GP foi de Ayrton com o tempo de 1.54.334 seguido por Bellof com 1.54.978 sendo a 3ª melhor volta do Leão quando liderava com sua Lotus 95T com o tempo de 1.55.112. Bellof chegou em 3º à 13s de Ayrton mas foi desclassificado por irregularidades em seu Tyrrel.  

 Le Mans 1969 protestando contra o tipo de largada em que os pilotos corriam para seus carros e muitos não afivelavam o cinto de segurança Ickx retarda sua largada para afivelar o seu...
e parte para a vitória. Ford GT40 Jacky Ickx/Jackie Oliver

 Ickx com a Ferrari #4 parte para vitória em Nurburgring 1972.
Bellof e Ickx na Eau Rouge pouco antes do trágico acidente que tirou a vida do jovem talento.

Feliz com sua bela corrida não ouvi protesto algum de  Ayrton


Senna avança

Bellof, vejam a grande ultrapassagem sobre a Ferrari de René Arnoux

E o Alváro "Bico" Guimarães achou de dava...
 Sequencia de fotos de Luiz Guimarães e seu filho Fabiano.
 Mogames roda...
 Tide Dalécio vai para os boxes e Alécio Durazzo sai rodando... 
e por sorte pega a entrada do box de traseira!
 Meu amigo Luiz Eduardo Duran não se recuperou até hoje da rodada de mais de 400m, quando vinha em 4ª marcha acelerando! Conde -Luiz Henrique Pankowski- já espetado no guard rail!

A trágica largada...
  


( Os recortes estão em tamanho grande, clique para ampliar) 

À todos os pilotos que cada vez que puseram seus traseiros em um carro de corridas foi para mostrar a beleza de sua arte não importando a categoria e a posição que disputavam, aos meus amigos que se foram e estão sempre presentes em nossos pensamentos e conversas, aos amigos que com a Graça de Deus sobreviveram a todas loucuras e aos nossos grandes campeões!


segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Turma da pesada...

 De um encontro com o Sergio Albuquerque em Interlagos surgiu o convite para participarmos de seu programa, o Sob Nova Direção, na hora o Duran, Arturo Fernandes e eu concordamos depois o Arturão teve que viajar e convidamos o Conde - Luiz Henrique Pankowski - e saiu este papo gostoso que vocês vão ver, muito do que foi dito está escrito aqui no Histórias, é parte de nossas vidas, e como disse o Conde elas continuam.
Breve voltaremos, nossos agradecimentos aos amigos Sergio Albuquerque e Cassio Toledo e à todos que nos acompanharam.

Abraços do Conde, Duram e meus!



 sim Duran foi o Conde...

 não tenho nada com isso!
 é  sério!


Bom demais estarmos reunidos!
Sergio Albuquerque com o trio.

Fotos Cassio Toledo


link