A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Fangio. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fangio. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Comparações...

 Rindt demorou alguns anos para vencer sua primeira corrida, Jimmy foi Jimmy!
 O Quintuple na D50.
Ayrton na Lotus em Jacarepaguá.

Ontem assistindo a bela vitória de Lewis em Silverstone entre algumas considerações ouvi do comentarista que já andou na F.Um que muitos pilotos e gente que acompanha a F.Um desde muito tempo, que Jimmy Clark foi o maior de todos...ora bolas, hoje em dia a carreira dos pilotos é longa, mais de vinte GPs por temporada e muito tempo para bater os recordes dos grandes!
A carreira de Jimmy foi de apenas 72 corridas quando fez 33 poles, 28 voltas mais rápidas e 25 vitórias...Fangio então largou 52 vezes fez 29 poles, 23 voltas mais rápidas e venceu 24 GPs...Ayrton largou 161 vezes, fez 65 poles, 19 voltas mais rápidas e venceu 41 vezes!
Ora...hoje Lewis já chegou à casa dos 200 GPs disputados, Schummy disputou 308 GPs, Vettel já está também na casa de 200 GPs.
A categoria mudou e muito, hoje os carros ponteiros são sempre os mesmos as disputas estão marcadas, no tempo dos Grandes havia mais disputa, não que Lewis e Vettel se corressem naquela época também não se destacariam, pelo contrário são grandes pilotos mas...

Dizer o que de Tazio?
E de Amon que sequer venceu uma corrida da F.Um?
E Moss com seus múltiplos vice campeonatos?
E do Sueco? 


Rui Amaral Jr    

sábado, 23 de janeiro de 2016

Historinha...

 Fiamma e Luigino
Collins
Hawthorn

Foi Fiamma Breschi, então namorada de Luigi Musso quem revelou a todos o problema com a jogatina, que Musso enfrentava por ocasião de sua morte e a ansiedade que ele tinha de vencer corridas, especialmente a prova de Reims, que tinha uma dotação maior que as outras. 
Collins e Hawthorn tinham uma inédita (e estranha) parceria em que juntavam seus ganhos nas pistas e os dividiam igualmente. Isso prejudicava Luigino.
Se um deles corresse por exemplo, em dupla com Musso, e o outro estivesse na frente, o italiano não teria qualquer chance de vencer, pois seu parceiro nada faria para ajudá-lo: interessava-o que o compatriota ganhasse, pois dividiriam os prêmios.
E então veio o GP de Reims/58, em que Hawthorn venceu e Musso morreu. Para Fiamma, latina, passional, voluptuosa, foi um choque.

Largada em Reims, Hawthorn, Musso e Harry Schell.

Musso em Mônaco 1958 com a Ferrari Dino 246, segundo lugar.
Argentina 1956...na única vitória de Musso ele dividiu a pilotagem com  Fangio cujo carro havia quebrado. Fangio recebe a bandeirada na D50. 


Ela chegou mesmo a tentar se jogar por uma janela ao saber da morte do amado, sendo impedida por Andrea Barruet e pela esposa de Maurice Trintignant.
Para completar, quando retornou ao hotel onde todos ficavam hospedados, ela viu com horror, Hawthorn e Collins, divertindo-se com uma improvisada partida de futebol com uma lata de cerveja, na frente do estabelecimento.
Segunda a florentina, ela os odiou desde então, até que em cinco meses, Mike e Peter também morreram. Para Fiamma, foi libertador: "Eu não poderia continuar odiando-os para sempre".
Devemos no entanto, tirar a "paixão" deste relato.
Embora prejudicado pelo acordo dos ingleses, Musso não os tinha na conta de seus inimigos pessoais, tanto que às vésperas do GP de Reims, ele procurou Peter Collins e contou-lhe sobre suas dívidas e problemas. Collins consultou Mike Hawthorn, seu "sócio", sobre como poderiam ajudar Luigi Musso. Hawthorn disse "não".

Fiamma belissíma e uma Dino 246 GT (o "belíssima" é por minha conta- Rui) 

Antes de ser um gesto mesquinho, a recusa tinha um motivo. Hawthorn iria precisar de cada centavo daquele prêmio, para destiná-lo à Miss Delaunay, mãe de seu filho, Arnaud Michael Delaunay. Quanto ao tal jogo de futebol, Mike simplesmente chutou a lata em direção de Peter, que a chutou de volta.

Como vê, sem a paixão de Florença a história tem outro tom.

Caranguejo

REIMS 1958


Notem que após a bandeirada Musso pula bem e depois fica um pouco para trás como se tivesse errado uma marcha! 

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

MONSTROS SAGRADOS

Juan Manuel Fangio
Às vezes quando escrevo parece que estou escrevendo só para mim, tento passar a emoção que senti e acabo não sabendo se consegui. Peço perdão por minhas falhas, pois alem de escrever apenas à seis meses, a grande maioria das vezes escrevo com o coração na ponta dos dedos.
Quantas vezes li sobre a vitória de Fangio que descrevi na postagem anterior? Talvez uma centena desde meus doze anos. Quando vi o vídeo fiquei maravilhado, com Fangio freei no limite, entrei naquelas curvas muito alem do limite possível, ultrapassei e venci. Ver o sorriso de Hawthorn no podium, e saber que ao ser indagado sobre Fangio disse " Fangio ? Ele é um deus!", dito pelo piloto que seria campeão do mundo no próximo ano. Sabia Hawthorn que estava vivendo um momento mágico, único.

Jim Clark e o Lotus 33

Com Clark foi uma admiração mais presente, lia sobre suas corridas vezes sem conta. Pilotei com ele aquele Cortina em Brands, quando não satisfeito com suas vitórias na F1 e Protótipos, pilotava num mesmo dia em três categorias, e dava show nas três.
AH!! Aquele Cortina, com a roda que tangenciava a curva no ar e fora do asfalto, um metro dentro da grama que margeava a pista! 
Clark dizia que Dan Gurney era o único piloto que se comparava a ele em velocidade, e Gurney falou após o acidente de Hockenheim "Se ele morreu o que será de nós".

Ayrton e o MacLaren

Com o Ayrton venci dezenas de vezes em Silverstone, de F.F e F 3. Segurei o Patrese em Interlagos e o Manssel em Magni. Não tirei o pé no Japão, batendo na traseira de quem não teve a devida competência de fazer aquela curva de pé embaixo. Num livro que li sobre o Ayrton ele diz que a volta perfeita é como dar o nó na gravata e as duas pontas ficarem iguais, muito difícil, só que para ele não era impossível, lembro de inúmeras, a mais marcante aquela em Mônaco, onde começou cada vez a andar mais rápido, até colocar mais de dois segundos em seu companheiro de equipe, Alain Prost.
As vezes começo a escrever alguma coisa e meu pensamento voa, ai deixo algo de lado, espero que entendam.

____________________________________________________________

NT: Post original de 29 de Junho de 2009, continuo escrevendo da mesma forma, agora após quase quatro anos, com a companhia competente de meus amigos, Graziela, Gabriel, Fabiano, Carlos e o sempre presente Caranguejo - Carlos Henrique Mércio.
Ainda hoje, sempre penso que falta alguma foto, ou que poderia escrever algum detalhe que me vem à mente do fato descrito, depois de escrever e arquivar algum texto.
Mas continuo da mesma forma, apenas agora com a companhia de muita gente que todos dias acompanha nossos posts.
A cada um de vocês, meu muito obrigado...  

Rui




sábado, 28 de abril de 2012

1950

GP da França, Reims, na pole Fangio #6, a seu lado Farina #2 e Fagioli #4.
Na segunda fila os Talbot de Etancelin #16, Giroud-Cabantous #18. Na terceira a Talbot de Rosier e as Maserati de Rol e Pepe Gonzalez.  
Fagioli, Fangio e Farina.

O primeiro  campeão do mundo.
 Nino em Silverstone
Nino
Fangio 
Fagioli

Finda a 2ª Guerra voltaram as corridas de Grand Prix, para o ano de 1950 a CSI órgão responsável pelo esporte motor resolve estabelecer um novo campeonato, seria o 1º Campeonato do Mundo de Pilotos, e a categoria passaria a ser chamada de Formula Um, pelo regulamento seriam usados os carros que corriam na categoria Gran Prix.
A 1ª corrida do novo Campeonato foi no aeródromo de Silverstone na Inglaterra, este mesmo Silverstone que agora desvirtuado por chicanes o Sr Eclestone quer tirar do calendário da F.I .
No 1º ano as três principais concorrentes eram equipes que já venciam corridas Grand Prix, a Alfa Romeo, Maserati e Ferrari. Auto Union já não existia e a Mercedes Bens não tinha condições de competir.

Nino Farina


Giuseppe "Nino" Farina
Em 1950 Nino já estava com 43 anos, e iria competir pela Alfa Romeo, equipe que havia abandonado alguns anos antes e que tantas glórias juntos conquistaram. Tinha como companheiros de equipe Luigi Fagioli, e a estrela ascendente o Argentino Juan Manuel Fangio. Farina Doutor em Direito e pilotagem tinha como seu grande incentivador e mentor Tázio Nuvolari, que viveu para ver seu pupilo ser Campeão do Mundo.
Farina vence a 1ª corrida do novo campeonato tendo Fagioli em 2º, venceu novamente na Suíça, seu companheiro de equipe Fangio vence Mônaco , Bélgica e França voltando Farina a vencer em Monza no GP da Italia , tornando-se assim o 1º Campeão do Mundo de Formula Um .
Escrevendo fico imaginando a alegria dos "tifosi", numa época em que a Alfa Romeo era a alegria dos Italianos.

Caranguejo e Rui




quinta-feira, 8 de julho de 2010

Silverstone 1951 Froilan Gonzalez vence a primeira corrida da Ferrari na Formula Um

Escrevi e postei a história da primeira vitória da Ferrari na Formula Um com o grande Froilan Gonzalez em 19 de Maio de 2009 com a ajuda de meu amigo Carlos de Paula, hoje com a chegada da F I a Silverstone resolvi mostrar novamente o post. Hoje não acredito que a Ferrari tenha condições de repetir essa vitória, sendo que para mim os grandes favoritos são Vettel, Hamilton, Button e Webber. Vindo a seguir Force India, Renault - Kubica - e Ferrari.  


Froilan recebendo a bandeirada da vitória.

Froilan ultrapassando Farina- Alfa Romeo- campeão da F1 no ano anterior .


A "vontade" com que o Touro dos Pampas pilotava .

Conhecemos por suas inúmeras vitórias na F1 , mas a 1ª vitória na categoria veio só no segundo ano de participação. Enzo Ferrari foi um piloto de relativo sucesso chegando a vencer várias corridas inclusive dois GP de Módena em 1927 e 28 pilotando para Alfa Romeo. Logo depois montaria sua Scuderia Ferrari e com ela representar a marca Alfa Romeo nas pistas, e como representou !! Por sua equipe passaram os maiores nomes do automobilismo da época, Antonio Ascari, Gigi Villoresi, Achille Varzi, Rudolf Caraciola, Luigi Fagioli, Giuseppe Campari, Compagnoni, Pintacuda e o grande Tazio Nuvolari. Esta equipe ganhou de tudo representando a Alfa e mesmo depois da saída de Enzo continuou ganhando, sendo a Alfa Romeo talvez a maior vencedora de corridas de todos os tempos, superando inclusive a Porsche a conferir. No começo da década de 1940 Enzo se desliga da Alfa Romeo, existia entre ele e o engenheiro chefe Wifredo Ricart um antagonismo latente, dois temperamentos difíceis, dois gênios do automobilismo. Tendo Ricart anos depois ao fim da segunda guerra, feito na Espanha um dos mais espetaculares carros esportes da época o Pegaso , dá para ver que a richa continuou. Quando saiu da Alfa, por força de contrato Enzo não podia usar o nome Ferrari, então sua equipe chamava-se Auto Avia Construzione e apesar de competir com o antigo patrão e vencer às vezes, ainda não tinha todo esquema da antiga equipe. Ai veio o novo campeonato de viaturas GP, a F1, e a Alfa Romeo com seus carros já amplamente testados em corridas venceu os dois primeiros campeonatos, em 1950 com o grande piloto de outrora Giuseppe Farina e em 1951 com aquele que por anos viria ser o ícone da categoria, o nome a seguir Juan Manuel Fangio. No dia 14 de Julho de 1951 no GP da Inglaterra viria acontecer a vitória que mudaria o rumo da F1, na pista de Silverstone, pista de altíssima velocidade, onde os grandes pilotos se destacam, tanto que esta pista até hoje é conhecida como Dasilvastone, por conta de um certo brasileiro chamado Ayrton que por lá barbarizou na FF e F3. Neste 14 de Julho tinha um touro no caminho. A Alfa com "apenas" seu time completo, Giuseppe Farina, Juan Manuel Fangio - a caminho de seu primeiro título - Bonetto e Sanesi e a Ferrari "somente" com Alberto Ascari, Gigi Viloresi, e o " Touro dos Pampas " Froilan Gonzáles. A Alfa com seu motor beberrão de 8 cilindros 1.500cc comprimido e a Ferrari com seu V12 de 4.494cc aspirado, por esta época este motor tinha uns 375cv contra os mais de 420cv das Alfas, mais era bem menos beberrão, tinha sido projetado por Aurelio Lampredi que substituíra Gioachino Colombo como projetista da casa de Marannelo. O primeiro piloto da Ferrari era o grande Alberto Ascari, filho de Antonio, morto em um acidente quando liderava o GP da França em 1925. Mas quem fez a pole nesta corrida foi o Touro, a seguir a ordem de largada.
Pole F. Gonzales 1.43,4 - Ferrari
2º J. M. Fangio 1.44,4 - Alfa Romeo
3º G. Farina 1.45 - Alfa Romeo
4º A. Ascari 1.45,4 - Ferrari
5ºL. Villloresi 1.45,8 - Ferrari
6º C. Sanesi 1.50,2 - Alfa Romeo
7º F. Bonetto 1.52 - Alfa Romeo
Grid composto de 20 carros.
Como se vê era o dia dele, colocar 1s em cima de Fangio a caminho de seu primeiro titulo, e ainda por cima seu concorrente desde os tempos da Argentina, e 2s no rapidíssimo Alberto Ascari talvez o piloto mais rápido de sua época.
Na corrida Bonetto largando da segunda fila com Alfa tomou a liderança, para antes do fim da 1ª volta ser devorado por Froilan e Fangio que seguiram lutando pela ponta com o Touro em 1º, pela décima volta Fangio assume a ponta, mas a luta continua renhida, pela metade da prova, Froilan toma de novo a ponta, e quando Fangio entra nos boxes, volta 45, para reabastecer a gastona Alfa, seu adversário abre 1m30s de vantagem. Quase ao final a Ferrari do Touro tem que fazer uma rápida parada para reabastecer, mas nem com isto perde a ponta, e vence corrida batendo Fangio por 51s e os dois chegando a simplesmente duas voltas na frente de Gigi Villoresi o 3º e quatro à frente de Bonetto o 4º.
Nos relatos que leio desta corrida, desde minha adolescência, todos dizem que a luta entre os dois Argentinos foi espetacular, os dois andando no limite desde a 1ª volta até o final, dizem feroz. Froilan Gonzáles foi o nome do dia, ainda por cima deu à Ferrari sua primeira vitória na F1, só que ainda não era a vez da Ferrari ser campeã do mundo, depois de Silverstone Fangio partiu firme para conquistar seu 1º titulo. Froilan ganhou mais uma corrida do mundial de pilotos, também em Silverstone, em 1954, e competiu ainda algum tempo na F1 e depois voltou para Argentina. Em 1971 ou 72 eu estava nos boxes em Interlagos, e alguém me disse de um senhor sentado em outro box é o Froilan, eu com vergonha não lhe pedi um autógrafo, seria uma relíquia, do "Touro dos pampas" o homem que naquele 14 de Julho deu a 1ª vitória à Ferrari e bateu ferozmente os melhores pilotos da época.


NT. Ele preparou muitos Opalas para alguns pilotos no Brasil, inclusive do pernambucano Antonio da Fonte, e correu na Copa Sul-americana de 1960 em Interlagos e ganhou uma corrida em Interlagos em 1958. Curioso que participou do ultimo GP da Argentina da fase romântica, em 1960.


Agradeço meu amigo Carlos de Paula .

Leia mais:                   
 

sexta-feira, 3 de julho de 2009

----MASERATI 250 F Superleggera ----Ocarro que deu a Fangio seu 5º titulo mundial 1957

A tocada do Grande Campeão , notem o contagiros .

O ano 1957 , Juan Manuel Fangio completaria 47 ( quarenta e sete ) anos , já havia sido Campeão do Mundo de Formula I quatro vezes , em 1951 pilotando uma Alfa Romeo , 1954 com Maserati e depois Mercedes Benz , em 1955 com a Mercedes Benz e 1956 com a Lancia Ferrari . Foi contratado pela Maserati para o lugar de Stirling Moss que iria para a Vanwvall . Iria pilotar a Maserati 250 F Superleggera , com esta denominação a Maserati corria na F I desde 1950 só que este carro era totalmente reformulado e conhecido como T 2 .

Seu motor era um seis cilindros em linha , alimentado por três Weber duplos horizontais , duplo comando de válvulas no cabeçote , dupla alumage e virava 8.000 rpm rendendo então 270 hp .





Ao longo dos anos este carro foi aprimorado , chegando a 1957 com uma silhueta mais suave , mais baixo e com a frente e traseira mais longas . A suspensão dianteira era de braços triangulares , amortecedores com molas e barra estabilizadora . A traseira era baseada no sistema De Dion com feixe de molas transversal . Cambio e diferencial eram na traseira . Seu chassi uma especialidade Maserati era todo construído de finos tubos de aço soldados . O T 2 era tido como um carro rápido em todo tipo de curvas e de pilotagem suave .

A beleza de suas linhas suaves .



Fangio no GP da Itália em Monza .

Com ele Fangio chegou em primeiro em quatro corridas do Mundial de 57 , Argentina , Mônaco , França e a antológica vitória de Nurburgring no G P da Alemanha .

Seu companheiro Jean Behra também em Monza em 1957 onde quebrou , com este carro Behra ganhou algumas corridas extra campeonato neste ano .


segunda-feira, 29 de junho de 2009

MONSTROS SAGRADOS

Juan Manuel Fangio
As vezes quando escrevo parece que estou escrevendo só para mim , tento passar a emoção que senti e acabo não sabendo se consegui . Peço perdão por minhas falhas , pois alem de escrever apenas a seis meses , a grande maioria das vezes escrevo com o coração na ponta dos dedos .
Quantas vezes li sobre a vitória de Fangio que descrevi na postagem anterior ? Talvez uma centena desde meus doze anos . Quando vi o vídeo fiquei maravilhado , com Fangio freei no limite , entrei naquelas curvas muito alem do limite possível , ultrapassei e venci . Ver o sorriso de Hawthorn no podiun e saber que ao ser indagado sobre Fangio disse " Fangio ? Ele é um deus ." dito pelo piloto que seria campeão do mundo no próximo ano . Sabia Hawthorn que estava vivendo um momento mágico , único .


Jim Clark e o Lotus 33
Com Clark foi uma admiração mais presente , lia sobre suas corridas vezes sem conta . Pilotei com ele aquele Cortina em Brands , quando não satisfeito com suas vitórias na F1 e Protótipos pilotava num mesmo dia em três categorias , e dava show nas três . AH!! Aquele Cortina com a roda que tangenciava a curva no ar e fora do asfalto , um metro dentro da grama que margeava a pista . Clark dizia que Dan Gurney era o único piloto que se comparava a ele em velocidade e Gurney falou após o acidente de Hockenheim " Se ele morreu o que será de nós " .


Ayrton e o MacLaren

Com o Ayrton venci dezenas de vezes em Silverstone , de F.F e F 3 . Segurei o Patrese em Interlagos e o Manssel em Magni . Não tirei o pé no Japão , batendo na traseira de quem não teve a devida competência de fazer aquela curva de pé embaixo . Num livro que li sobre o Ayrton ele diz que a volta perfeita é como dar o nó na gravata e as duas pontas ficarem iguais , muito difícil ,
só que para ele não era impossível , lembro de inúmeras , a mais marcante aquela em Mónaco onde começou cada vez a andar mais rápido , até colocar mais de dois segundos em seu companheiro de equipe , Alain Prost .
As vezes começo a escrever alguma coisa e meu pensamento voa , ai deixo algo de lado , espero que entendam .

sábado, 27 de junho de 2009

Fangio

Nurburgring , 4 de Agosto de 1957 GP da Alemanha , Juan Manuel Fangio chega à ultima corrida do Campeonato já com seu quinto titulo conquistado , com sua Maserati tinha 25 pontos no campeonato contra 13 de Luigi Musso com Ferrari e 10 de Tony Brooks com Vanwall . Na classificação larga na pole , 15 segundos mais rápido que o recorde da pista , que era seu no GP de 1956 com o tempo de 9,41,6s .
Gri de Largada - 1ª fila .
Fangio Maserati 250 F 9.25.6s
Hawthorn Ferrari 801 9.28,4s
Behra Maserati 250 F 9,30,5s
Collins Ferrari 801 9,34,7s
Brooks Vanwall 9,36,1s
Schell Maserati 250 F 9,39,2s
Moss Vanwall 9,41,2s

Como se vê na classificação ,colocou quase três segundos no segundo colocado .



Na corrida Fangio largaria com meio tanque de combustível e pneus macios Pirelli sua parada estava programada para depois do meio da corrida onde abasteceria e trocaria os pneus , as Ferrari com pneus Engelbert não fariam paradas .
As duas Ferrari de Hawthorn e Collins largaram em sua frente , como ele vinha mais leve e bem mais rápido ultrapassou-as na terceira volta , começando a girar cada vez mais rápido na volta doze do circuito de 22,772 km vinha com 28s de vantagem , quando parou para reabastecer e trocar os pneus . A Maserati vinha treinando esta parada em 30s , só que na corrida durou demorados 58s , voltando Fangio cerca de 30s atrás das Ferrari . Ele já havia batido o recorde da pista por seis vezes , virando na volta mais rápida 9,29,5s quando de sua parada Collins abaixa seu tempo virando 9,28,9s .

Ai veio a loucura , tentando chegar aos ponteiros , abaixou o recorde da pista mais quatro vezes , nas voltas 17,18,19 e 20 quando virou absurdos 9,17,4 tempo 24 segundos mais rápido que o recorde de 1956 , 11s abaixo de sua Pole !!!! Este era o estilo Fangio , já campeão do mundo , consagrado , em sua ultima corrida , querendo o lugar que era seu , o primeiro .


Entrou na ultima volta em terceiro , com Hawthorn em 1º e Collins em 2º , na volta anterior já havia passado Collins que retomou a posição . Na Curva Norte entra por dentro de Collins e tomar- lhe em definitivo a segunda posição , e parte para cima de Hawthorn . Na descida que precede a curva Breidscheid encosta na Ferrari e passa Hawthorn na entrada desta curva . No vídeo vê-se a loucura que foi esta volta , com Fangio guiando como nunca , andando de lado , freando no limite , fazendo tudo que sabia e tinha aprendido nos seus 47 anos de vida .
Ao final no podiun vê-se a alegria de Hawthorn e Collins , como se não acreditassem que alguém poderia pilotar daquele modo .
Desta corrida Fangio disse "Nunca pilotei desta forma e não o faria novamente"

Classificação final da corrida .
1º Juan Manuel Fangio Maserati 3h30m38,3s
2º Mike Hawthorn Ferrari 3h30m41,9s
3º Peter Collins Ferrari 3h31m13,9s
4º Luigi Musso Ferrari 3h34m15,9s
5º Stirling Moss Vanwall 3h35m15,8s
6º Jean Behra Maserati 3h35m16,8s

http://www.youtube.com/watch?v=fubOA6Ub4rI

Agradeço ao Luiz Salomão a dica do video .